Bebida alcoólica eleva risco de câncer de mama

Todos os tipos de álcool, quando ingeridos com freqüência, aumentam os riscos de câncer de mama, anunciaram pesquisadores estadunidenses durante uma conferência mundial sobre oncologia em Barcelona. De acordo com o coordenador do estudo, Arthur Klatsky, do Kaiser Permanent Medical Care Program, na Califórnia, o consumo elevado da substância etil, presente em qualquer bebida alcoólica, pode aumentar em até 30% a possibilidade de desenvolvimento da doença — mesmo risco de quem fuma um maço de cigarros por dia. “O resultado da pesquisa traz novas evidências de que quem bebe bastante deve parar ou diminuir a quantidade”, afirmou Klatsky.

Os especialistas analisaram a rotina de mais de 70 mil mulheres, que, entre 1978 e 1985, responderam a questões específicas durante consultas médicas. Em 2004, cerca de 3 mil participantes foram diagnosticadas com câncer. A equipe de Klatsky estudou os tipos e a quantidade de álcool ingerido por esse grupo. O resultado da análise mostra que, em comparação às mulheres que bebiam menos de um copo de líquido alcoólico por dia, as que tomavam um ou dois drinques diariamente aumentaram o risco de desenvolver câncer de mama em 10%. Quem tomou mais de três drinques diários durante os anos de estudo sofreu acréscimo de 30% na chance de ter a doença.

A pesquisa revelou ainda que todas as bebidas — vinho, cerveja ou destilados — são igualmente prejudiciais. “Mulheres que bebem vinho porque acham que é mais saudável que cerveja estão erradas”, disse Patrick Maisonneuve, do Instituto Europeu de Oncologia. “É a quantidade de álcool ingerido que conta, não o tipo”, acrescentou o médico, que esteva presente na conferência.

Campanha

Ainda não se sabe ao certo como o álcool atua para aumentar os riscos, mas especialistas acreditam que ele faz subir a quantidade de hormônios no sangue a níveis perigosos. Apesar de outros fatores — como idade, genética e obesidade — influenciarem mais diretamente a possibilidade de surgimento do câncer, os especialistas defendem a realização de campanhas que eduquem o público sobre esse malefício das bebidas alcoólicas.

Segundo Tim Key, do Cancer Research, no Reino Unido, já existem evidências suficientes para culpar o álcool por grande parte dos casos de câncer de mama. De acordo com uma pesquisa da instituição britânica, a cada 100 mulheres, 8,8 desenvolvem a doença até os 80 anos. Entre as que bebem uma dose de álcool ao dia, esse número sobe para 9,4. Para as mulheres que consomem seis doses diárias, a proporção é de 13,3 casos em 100.

Mais de 4% dos casos de câncer nos países desenvolvidos estão diretamente relacionados ao álcool. Só no Reino Unido, 44 mil casos anuais estão ligados ao consumo, segundo uma pesquisa publicada em 2002 no jornal britânico, British Journal of Cancer. “Qualquer ingestão de álcool vai aumentar os riscos de câncer de mama”, advertiu Key.
Fonte: Correio Braziliense – DF – OBID