Histórico familiar de alcoolismo e estabilidade da personalidade em adultos jovens

A relação entre personalidade e ocorrência de transtornos relacionados ao uso de álcool é foco de interesse da ciência. É sabido que indivíduos que manifestam essa condição divergem em certos aspectos de personalidade daqueles que não a manifestam. Ademais, há estudos que levantam a hipótese de que traços de personalidade possam predizer a ocorrência de transtornos dessa natureza.

Uma linha de pesquisa que chama a atenção em especial é aquela que compara traços de personalidade de indivíduos filhos alcoolistas com filhos de pais sem esse histórico. Dentro dessa perspectiva, os autores buscaram examinar a magnitude e a durabilidade das diferenças de personalidade relacionadas ao histórico familiar de alcoolismo e o desenvolvimento de transtornos relacionados ao uso de álcool ao longo um período de 11 anos.

Para tal, 487 jovens estudantes universitários foram entrevistados e divididos em números praticamente meio a meio quanto ao histórico familiar de alcoolismo em Histórico Familiar Positivo de Alcoolismo (HF+) e Histórico Familiar Negativo de Alcoolismo (HF-). No primeiro grupo (HF+) foram classificados os jovens que apresentavam pai biológico com histórico de alcoolismo. No segundo (HF-) foram classificados os jovens que não apresentavam pai ou parente de primeiro grau com histórico de alcoolismo, abuso de drogas ou personalidade anti-social e parentes de segundo grau com histórico de alcoolismo e abuso de drogas. A média de idade inicial da amostra foi de 18,2 anos.

Os jovens foram avaliados de acordo com os seguintes critérios: Extroversão (sociabilidade, vivacidade e assertividade), neuroticismo (ansiedade, depressão, culpa e timidez) e psicoticismo (agressividade, egocentrismo e impulsividade), havendo 3 reavaliações da amostra (1 ano, 7 anos e 11 anos após entrevista inicial). Os autores observaram que os indivíduos do grupo HF+ apresentaram níveis mais elevados de psicoticismo e de neuroticismo que os demais, sugerindo maior nível de descontrole comportamental. Ademais, observou-se que os níveis de neuroticismo e extroversão declinaram com o passar dos anos em ambos os grupos ao passo que os níveis de psicoticismo permaneceram iguais. Vale salientar que as diferenças comparativas de escores entre os grupos HF+ e HF- nos 3 critérios analisados permaneceram inalteradas ao longo dos anos. Por fim, os autores concluem que esses dados refletem mudanças duradouras em termos de personalidade em especial entre jovens com histórico familiar positivo de alcoolismo.

Título: Family History of Alcoholism and the Stability of Personality in Young Adulthood
Autores: Jenny M. Larkins e Kenneth J. Sher
Fonte: Psychology of Addictive Behaviors, Vol. 20, No. 4, 471–477, 2006
IF 2,098
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool