Trânsito vitima 35 mil em 2006

A mortalidade no trânsito brasileiro impressiona pelos números: cerca de 35 mil pessoas morreram em acidentes nas rodovias, avenidas e ruas do país no ano passado. A Organização Mundial de Saúde – OMS, ressalta que o problema não se restringe unicamente ao Brasil. Um levantamento da instituição prevê que os óbitos no trânsito deverão chegar à terceira posição no ranking das principais causas de mortalidade no mundo em 2020. Atualmente, acidentes fatais em estradas estão entre as 11 principais causas de mortes.

No Brasil, a estimativa ainda não é precisa. A pesquisadora e psiquiatra Raquel De Boni – do Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas – Cpad, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre – diz que “esse é um dado bruto, que registra as mortes no local do acidente, mas não considera o número de pessoas que morrem em hospitais depois de internadas por um longo período”. Estudos da OMS estimam que de 30% a 70% dos acidentes fatais nos países em desenvolvimento devem ter relação com a ingestão de álcool. “Não existem dados nacionais a respeito do problema, como também não há sobre motoristas que dirigem sob a influência de drogas ilícitas”, ressalta o diretor do Cpad, psiquiatra e professor Flávio Pechansky.

O Centro coordenará uma série de pesquisas em todo o país com recursos da Secretaria Nacional Antidrogas – Senad, para avaliar a relação entre mortalidade e consumo de bebidas alcoólicas.

Raquel ressalta que o trabalho é fundamental para que a Senad planeje políticas públicas para reduzir as mortes no trânsito. O objetivo é que os governos, nas três esferas, priorizem medidas preventivas contra a violência nas rodovias.
Fonte:CORREIO DO POVO-RS – OBID