Preço, qualidade de bebidas alcoólicas e demanda por álcool


A literatura científica costuma apontar para a existência entre uma relação inversamente proporcional de preço e consumo de álcool. Ou seja, quanto mais cara a bebida alcoólica, menor será seu consumo. Entretanto, grande parte dessas pesquisas peca pelo fato de abordar o álcool como um produto único e simples, ignorando sua realidade complexa e multifacetada. Sabidamente, há diferentes tipos de bebida (cerveja, vinho e destilados), assim como dentro de cada tipo de bebida há diferenças em termos de qualidade, com bebidas de alta, média e baixa qualidade.

Isso posto, um grupo de autores suecos buscou investigar, respeitando a complexidade da questão, a influência do preço sobre o consumo de álcool na Suécia entre os anos de 1984 e 1994. Há nesse país monopólio estatal na venda de todas as bebidas com mais de 3,50 GL. A empresa estatal responsável por essa questão dita os preços das bebidas no comércio de varejo. Ademais, definiu-se a qualidade da bebida com base no preço relativo desse produto ao longo do tempo investigado (bebidas mais caras – qualidade superior, bebidas de preço médio – qualidade média, bebidas mais baratas – qualidade inferior). Tendo como base esse banco de dados, os pesquisadores fizeram estimativas em termos de preço e consumo de álcool.

Os autores observaram que os preços das bebidas alcoólicas alteraram tanto o consumo total de álcool quanto fizeram substituições em termos de qualidade da bebida. Ou seja, constatou-se que os consumidores migraram de bebidas mais caras (e de melhor qualidade) para bebidas mais baratas (e de pior qualidade) com o aumento nos preços de álcool. Ademais, notou-se também uma diminuição em termos de consumo total de álcool. Estimou-se que um aumento de 10% no preço de todas as bebidas acarretaria numa diminuição de 1,7% no consumo total de álcool (com 3,5% no consumo de destilados e 0,72% no consumo de vinho), ao passo que esse mesmo aumento nos preços das bebidas mais baratas com diminuição proporcional desse aumento a medida que melhora-se a qualidade da bebida (a categoria de bebidas de melhor qualidade ficaria livre de aumentos) acarretou diminuição de 4,12% no consumo total de álcool (com destaque para a diminuição de 6,27% no consumo de destilados).

Por fim, os autores sugerem ser de grande importância na taxação de bebidas alcoólicas o aumento proporcional de preços de acordo com a qualidade da bebida. Ou seja, bebidas de pior qualidade tem seu preço mais aumentado e bebidas de melhor qualidade tem seu preço menos aumentado. Essa estratégia reduziria de forma mais eficaz o consumo total de álcool e evitaria a migração do consumo de bebidas de boa qualidade para qualidade inferior.

Título: Alcohol Prices, Beverage Quality, and the Demand for Alcohol: Quality Substitutions and Price Elasticities
Autores: Paul J. Gruenewald, William R. Ponicki, Harold D. Holder, and Anders Romelsjo
Fonte: Alcoholism: Clinical and Experimental Research, Vol 30, No 1, 2006
IF 2,636
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool