Impunidade agrava estatísticas de acidentes de trânsito envolvendo bebidas alcoólicas, dizem os especialistas

Três chopes é o que a publicitária Marianne F., 37, já tinha bebido até por volta de 1h da madrugada de quinta-feira. Marianne diz que, se a reportagem garantir que não vai identificá-la, ela tem uma história incrível para contar. E começa.

“Há dois anos destruí um carro depois de um porre. O pior é que eu estava com um jogador de vôlei, o cara era casado, provavelmente a gente ia até ficar junto, deu o maior ‘bafão´”, lembra.

Naquela manhã, Marianne havia tomado medicamentos à base de anfetamina, por conta de um regime que estava fazendo, e saiu para almoçar com amigos. Bebeu, bebeu, bebeu. “Na volta, fui reto em uma curva e peguei um carro estacionado. Desceu o prédio todo para saber o que tinha havido. Fiquei sóbria no ato”, afirma.

Marianne conta tudo com um estranho tom de façanha -a mesa só de homens está impressionada com sua história. Segundo especialistas, essa espécie de infantilidade cultural do brasileiro, associada à impunidade, pode ser um fator de agravamento nas estatísticas de acidentes de trânsito.

“Em todo lugar do mundo se bebe, mas, por exemplo, no Japão, a tolerância em relação aos motoristas alcoolizados é zero. E eles têm consciência: ninguém cogita beber antes de dirigir”, diz o presidente da AACD – Associação de Assistência à Criança Deficiente, Eduardo de Almeida Carneiro, que passou a acolher também adultos e vítimas de acidentes de trânsito e violência urbana.

Ali, os acidentes de trânsito ocorridos no ano de 2007 ultrapassaram aqueles causados por armas de fogo e, depois de quatro anos, voltaram a ocupar o topo do ranking entre as causas de lesão na medula.

Somente no primeiro semestre do ano de 2007, eles foram responsáveis por 42% dos casos de paraplegia e tetraplegia registrados na instituição – contra 33,5% referentes ao mesmo período de 2006. As lesões traumáticas causadas por armas de fogo ocupam o segundo lugar, sendo responsáveis por 28% das ocorrências.
OBID Fonte: FOLHA DE S.PAULO-SP