fbpx

Efeito conhecido não impede consumo de drogas por estudantes

Eles sabem muito bem os efeitos das substâncias psicoativas sobre o organismo, já que são estudantes universitários de Farmácia e Enfermagem, da Universidade Federal do Espírito Santo – Ufes. Mas isso não os impede de fazer uso de álcool, maconha, anfetaminas, inalantes e ansiolíticos.

Pesquisa intitulada Perfil do Uso de Substâncias Psicoativas entre Universitários do Centro de Ciências de Saúde da Ufes – envolvendo ainda estudantes de Medicina e Odontologia -, financiada pela Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia do Espírito Santo – Fapes, e divulgada parcialmente pela professora Marluce Miguel Siqueira, revela o padrão de consumo dos universitários.

Dos 148 estudantes de Farmácia entrevistados, 8,1% fazem uso pesado de álcool, 0,7% de maconha; e 1,4% de tabaco. O uso pesado é caracterizado pelo consumo da droga 20 ou mais vezes no mesmo mês.

Do total de alunos do curso, 58,1% admitiram ter consumido bebida alcoólica no mês que antecedeu a entrevista; 5, maconha; 4, anfetaminas; 4 ansiolíticos; e 2, inalantes.

Na Enfermagem, 9,55% usaram ansiolíticos; 7,3% anfetamínicos; e 6,1% solventes no ano. Constatou-se em 0,6% uso pesado – 20 vezes ou mais no mês, de anfetamínicos, solventes e maconha.

A enfermeira Marluce Siqueira, doutora em Ciências Fisiológicas e coordenadora do Núcleo de Estudos sobre Álcool e outras Drogas – Nead, da Ufes, admite que os dados são preocupantes. A conclusão da pesquisa só será divulgada em 2008. A maior parte dos estudantes entrevistados estava na faixa etária de 20 a 22 anos, e pertence as classes socioeconômicas A e B.

O negócio é relaxar

A necessidade de relaxar foi o argumento utilizado pelos alunos para justificar o uso das substâncias lícitas e ilícitas. No ambiente de consumo, eles relataram também que há sempre a presença de amigos, que figuram como os principais fornecedores das substâncias.

Marluce Siqueira explica que o levantamento do perfil de usuários de substâncias psicoativas vai se estender a outros cursos da universidade. Os próximos alunos entrevistados devem ser o da área de Educação.
OBID Fonte: A GAZETA-ES