Agentes fiscalizam casas de shows e bares de Natal

A Vara de Infância e Juventude desempenha importante papel no combate ao uso de bebidas alcoólicas entre menores de idade, através dos 120 agentes judiciários de proteção que fiscalizam casas de shows, bares, motéis, hotéis e boates em Natal – RN. Eles são voluntários que passaram por um processo seletivo e capacitados através de curso baseado nas diretrizes do ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente.

Segundo o coordenador Pedro de Oliveira, dos agentes judiciários há cinco anos, o número de agentes é suficiente para atender à demanda referente à Comarca de Natal. As visitas são caracterizadas pelo fator surpresa e ocorrem onde quer que o adolescente esteja em condições inadequadas, por exemplo, com acesso à bebida, sujeito à prostituição, drogas, etc.

“O adolescente é retirado da situação de risco e entregue ao pai ou pessoa responsável, geralmente em sua própria casa”, explica. Em casos extremos, os jovens são detidos em abrigos de menores até o responsável ser localizado. Todos os dias os agentes se revezam, em número de 10 pessoas por equipes. O trabalho inclui fiscalização e orientação.

A atuação dos agentes é mais constante – e absolutamente necessária – em eventos como o Carnatal. Este ano, houve 80 autuações, das quais, 70% devido ao uso – abuso, de álcool por adolescentes. Os outros 30% representam a quantidade de menores na avenida sem autorização dos pais ou responsáveis.

De acordo com Pedro, felizmente o número de autos vem diminuindo gradativamente. “Acho que se deve à conscientização dos próprios organizadores”, reflete. Quando notificados, os pais são intimados a comparecer à Vara de Infância, onde são submetidos a uma palestra sobre Drogadição – termo utilizado para problemas relacionados ao uso de drogas lícitas e ilícitas.

O papel dos pais está além do fator curativo, caracterizado quando o problema está instalado e não há outra opção a não ser combatê-lo. A pedagoga Cláudia Santa Rosa, coordenadora da escola estadual Hegésipo Reis, de educação básica, salienta a importância de uma boa base familiar para prevenção ao uso de todos os tipos de drogas.

“Os valores e princípios são primordiais, devem ser cultivados desde a infância”, ressalta. À medida em que a sociedade moderna não assume a educação dos indivíduos, principalmente por se dedicar mais ao mercado de trabalho, os educadores assumem o lugar dos pais no repasse dos valores morais.

“Mas nós precisamos nos capacitar”, diz, lembrando que os educadores devem focalizar a pedagogia da diferença, que é a importância de cada pessoa se sentir única.
OBID Fonte: TRIBUNA DO NORTE-RN