Consumo de drogas em moradias universitárias

O artigo publicado pela Revista de Saúde Pública buscou averiguar, conhecer e analisar o discurso dos moradores de um conjunto residencial estudantil universitário sobre os processos de socialização e consumo de drogas.

A população de estudo foi composta por 20 alunos de graduação, na faixa dos 22 aos 26 anos, solteiros, residentes em moradia estudantil universitária em São Paulo – SP. A coleta de dados deu-se por meio de entrevistas abordando o conhecimento dos mesmos sobre a história da moradia, a experiência de viver em uma moradia estudantil e suas percepções acerca do consumo de drogas.

Os resultados explicitaram que os estudantes possuem pouco conhecimento sobre a história da moradia e que as alternativas para os problemas que enfrentam têm sido buscadas individualmente. Evidenciou-se a questão da estigmatização dos moradores em relação ao consumo de drogas e uma visão preconceituosa sobre a moradia estudantil, relacionando-a a acontecimentos e fatos ruins como brigas, violência, bagunça e demonstrando o desconhecimento sobre a importância da mesma para a permanência de estudantes pobres nos cursos de graduação.

Foi reportado também que em relação à prevenção ao consumo de drogas, os estudantes pesquisados defendem o rechaço às drogas e as estratégias de redução de danos. Ressalta-se a concepção de que a moradia não é responsável pelo consumo de drogas de moradores. A pesquisa reporta que os moradores fizeram algumas sugestões, tais como a realização de pesquisas científicas que aprofundem o conhecimento da moradia, ações educativas embasadas nos pressupostos da redução de danos e um debate social amplo sobre o consumo e sobre a importância da moradia estudantil.

Os autores concluíram que, segundo a opinião de seus moradores, a moradia estudantil viabiliza o acesso à universidade, apesar de dificuldades na convivência coletiva e da administração da universidade. Em relação ao consumo de drogas foram evidenciadas duas correntes: uma que ressalta a menor tolerância ao consumo de drogas e outra que prima pelo trabalho educativo, pela conscientização, principalmente com os ingressantes.

Texto resumido pelo OBID a partir do original publicado pela Revista de Saúde Pública, São Paulo, 40(6): 1027-1034, 2006. ISSN 0034-8910. Editada pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Título Original: Moradia universitária: processos de socialização e consumo de drogas.

Leia o artigo completo aqui

OBID Fonte: LARANJO, T. H. M.; SOARES, C. B.