Fumo é causa de doença crônica que afeta pulmão

Mais de 80% dos portadores da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) são fumantes ou ex-fumantes. Essa é a constatação de uma pesquisa realizada com mais de 40 mil pacientes em todo o mundo nos anos de 2006 e 2007, patrocinada por uma grande indústria farmacêutica. A doença provoca tosse, muco, catarro e falta de ar.

Para realizar a pesquisa, foram mobilizados cerca de 7 mil médicos em todo o mundo. No Brasil, foram avaliados quase 600 pacientes em 12 estados: Bahia, Ceará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O coordenador nacional do estudo foi o pneumologista José Roberto Jardim.

Um primeiro levantamento da história clínica de pacientes com DPOC mostrou que 81% deles faziam ou já tinham feito uso do cigarro por tempo prolongado. Constatou-se também que somente 40% deles haviam passado pelo exame da espirometria, fundamental para avaliar a função pulmonar e a gravidade da doença. O exame é feito através de um aparelho que registra o volume de ar que o paciente consegue colocar nos pulmões e a velocidade com que consegue expeli-lo.

Antes do estudo mundial, foi realizado, em 2003, o Projeto Latino-americano de Investigação de Doenças Obstrutivas (Platino). O resultado mostrou que na América Latina, dos portadores de DPOC, 90% são fumantes ou ex-fumantes, e apenas 10% desenvolveram a doença por outras causas, como exposição prolongada à fumaça produzida pela lenha. Jardim alerta, porém, que o componente genético também pode ter influência. E aposta na prevenção como a melhor forma de combate à doença.

– Deve-se investir em campanhas antitabagismo, de modo a esclarecer a população sobre os seus riscos, tanto sobre a DPOC quanto em relação às outras 53 doenças associadas ao fumo, como a hipertensão -, diz o pneumologista.

Segundo Jardim, como se trata de uma doença irreversível e progressiva, quanto mais agravamentos dos sintomas o indivíduo tiver, mais difícil será seu tratamento e pior sua qualidade de vida.

Atualmente, a DPOC é a quarta maior causa de internações no Brasil e a quinta maior causa de mortes – mais de 30 mil por ano.
OBID Fonte: JORNAL DO BRASIL-RJ