Mortes no carnaval caem 11,7%, diz PRF

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgou na tarde desta quinta-feira que foram registradas 128 mortes durante o Carnaval deste ano nas estradas brasileiras. Isso representa uma redução de 11,7% em relação ao mesmo período do ano passado, quando os acidentes fatais resultaram na morte de 145 pessoas.

Neste ano foram registrados 2.396 acidentes, um aumento de 1,5% em relação ao ano passado. No Carnaval de 2007, 1.472 pessoas ficaram feridas, 7,4% a menos do que no ano passado.

Minas Gerais continuou no topo dos Estados com maior número de acidentes registrados. Foram 449 somente neste Carnaval. Isso fez com que as estradas mineiras fossem as mais fatais durante o período, registrando 19 mortes.

A PRF também teve que fiscalizar durante o Carnaval o cumprimento da medida provisória que proíbe a venda de bebidas alcoólicas nas estradas federais. De sexta até ontem, os policiais vistoriaram mais de 7,1 mil estabelecimentos e auturaram 855 comerciantes que não estavam respeitando a lei. Os Estados com maior volume de multas foram a Bahia (121), Minas Gerais (77), Paraná e Distrito Federal (com 68 cada).

Nos seis dias de operação, 156,9 mil motoristas foram flagrados pelos policiais cometendo infrações. Mais de 105 mil deles foram autuados por excesso de velocidade. Houve casos de condutores flagrados a 180 km/h em rodovias em que o máximo permitido era 80 km/h.

Tarso admite mudanças na MP que proíbe bebidas

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou na tarde dessa sexta-feira que a Medida Provisória que proíbe a venda de bebidas nos estabelecimentos comerciais que funcionam na margem das rodovias federais deve sofrer ajustes. Segundo ele, isso foi percebido durante a Operação Carnaval da Polícia Rodoviária Federal (PRF), quando 855 comerciantes foram autuados por infringir a lei que está em vigor desde o dia 1º.

Tarso disse que essas mudanças terão que ser feitas em negociação com o Congresso Nacional, mas sem modificar o espírito da lei. “O espírito da lei é impedir que os motoristas bebam nas estradas e tenham facilidade para adquirir bebidas.”

“Compreendo o direito e a preocupação dos comerciantes. Mas, estão em jogo dois valores: o direito livre de comerciar e as vidas humanas. Temos que ficar com um desses valores. O Ministério da Justiça fica com o segundo”, disse Tarso.

Contudo, o ministro evitou apontar os ajustes que ele considera necessários. Disse que primeiro é preciso analisar todas as autuações feitas e separar os casos.

O diretor-geral da PRF, Hélio Derenne, também disse que a MP deve sofrer ajustes. “Esse aprimoramento da norma nós encontraremos. Temos condições de aprimorar”, comentou.
Autor: Jeferson Ribeiro
OBID Fonte: Site do Terra