Dependência está ligada a genética?

De acordo com cientistas chineses foram identificados, através de estudos, 396 genes e cinco vias biológicas que podem tornar as pessoas mais suscetíveis às drogas e ao álcool. Os especialistas da Universidade de Pequim dizem, ainda, que no futuro essas descobertas podem ajudar no tratamento do dependente.
As pesquisas que contaram com o apoio do Ministério de Ciência e Tecnologia da China, são baseadas em estudos e teses publicadas nas últimas três décadas onde foram encontradas por volta de 2300 amostras evidentes de que a dependência está ligada à genética da pessoa. Segundo os chineses cerca de 60% da vulnerabilidade de um indivíduo em relação à dependência química é devido aos fatores genéticos enquanto os outros 40% são de responsabilidade dos fatores ambientais. Os autores da pesquisa publicada na revista “Plos Computational Biology” se concentraram em quatro tipos de drogas, opiáceos (heroína, morfina e etc), cocaína, nicotina e álcool, mapeando cinco vias principais ou moleculares que causam a adicção.
Wei Liping, responsável pelo Instituto de Biociências da Universidade de Pequim, comenta que essas rotas causadoras da dependência podem vir a ser a base de mecanismos eficazes para muitos transtornos da doença. Existem, também, outros estudos e pesquisas que mostram os marcadores genéticos da doença. Em uma destas pesquisas, realizada na Universidade de Washington, foram avaliados os aspectos relativos à transmissão familiar da dependência. Foram submetidos à pesquisa 1212 dependentes químicos e o resultado mostrou que aproximadamente 50% dos filhos de sexo masculino e 25% do sexo feminino de pais alcoolistas eram dependentes da mesma substância. Em relação às outras drogas como a cocaína, maconha e nicotina foi observado que o risco do filho ser um dependente é muito alto.
Além destes fatores genéticos, os traços de personalidades podem estar ligados à predisposição ao álcool e o uso abusivo das drogas. A maioria dos especialistas acredita e afirma que não existe uma personalidade típica desse tipo de situação, entretanto, estudos mostram que indivíduos hiperativos e aqueles que estão sempre em busca de novidades são considerados os perfis mais vulneráveis à dependência química.
A grande torcida atualmente é para que, em um futuro próximo, os estudos genéticos e os estudos em Biologia Molecular possam evoluir e ser mais uma arma contra a dependência química.

Fonte:http://www.ctviva.com.br/dependencia_ligada_genetica.html