ONU: Menos de 5% da população mundial é dependente de drogas

Menos de 5% da população mundial é dependente em substâncias ilegais, afirma a comissão de Entorpecentes da ONU, que iniciou hoje em Viena uma reunião para revisar a política de prevenção às drogas adotada nos últimos 10 anos.

O diretor do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC), o italiano Antonio Maria Costa, disse em entrevista coletiva que o problema das drogas havia sido “contido, mas não resolvido”, diante desta percentagem.

Em 1998 a ONU lançou em Nova York uma estratégia para “eliminar ou reduzir significativamente o cultivo ilegal da folha de coca, do cannabis e da papoula para 2008”. Segundo Costa, os objetivos iniciais não foram cumpridos, apesar de os usuários de drogas ilícitas representarem menos de 5% da população mundial, um número “cinco ou seis vezes inferior aos dependentes em tabaco ou álcool”.

Costa afirmou também que o número de pessoas que consomem “drogas pesadas”, as que mais prejudicam a saúde, é de cerca de 25 milhões, 0,5% da população mundial. Cerca de 200 mil pessoas morrem por ano vítimas da toxicomania, um décimo dos mortos por causa do alcoolismo e vinte vezes menos que os mortos pelo tabagismo.

O vice-secretário da ONU afirmou que existe um problema de imagem na luta contra as drogas. “Existem muito poucos recursos para tratamentos de prevenção e reabilitação, muito se dedica à erradicação dos cultivos (ilegais) e pouco à erradicação da pobreza”, declarou.

Além disso, criticou as propostas de legalização das drogas como medida para acabar com o problema: “As drogas não são perigosas por serem ilegais, mas são ilegais por serem perigosas”.

Os dados das Nações Unidas mostram que não foram alcançados os alvos estipulados há dez anos em Nova York. A produção de cannabis estabilizou-se nos últimos dez anos, mas aumentou a concentração do THC, princípio ativo da planta. Isto representa um aumento indireto da produção, pois se requer menos quantidade desta substância, afirmou Costa.

“Apesar disto, calcula-se que a produção mundial de cocaína foi de 984 toneladas em 2006, ou seja, um aumento de 19% em relação a 1998”, diz um documento oficial do encontro.

Como causa deste aumento se indica a melhora das técnicas de cultivo, o aumento das colheitas anuais, o uso de variedades de maior rendimento e o aumento do número de plantas por hectare.

O cultivo da papoula diminuiu apenas 2% entre 1998 e 2007 – de 238 mil para 234 mil hectares – mas a produção de papoula alcançou em 2007 as 8.800 toneladas, o dobro do volume produzido nove anos antes.

Entre 1998 e 2006 a superfície total de cultivo ilegal de coca na Bolívia, na Colômbia e no Peru diminuiu 18%, de 190.800 hectares para 156.900 hectares.
Autor: Últimas Notícias
OBID Fonte: Site do Terra