Entrevista com Dr. Durval Ribas Filho – Álcool e Metabolismo

Durval Ribas Filho é médico nutrólogo, mestre e doutor em Medicina Interna pela Universidade de Medicina de São José do Rio Preto. Atualmente é o Presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) e vice-presidente da Academia Latino Americana de Nutrologia.

1) Conforme dados do “I Levantamento Nacional sobre os Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira”, a prevalência do uso nocivo e dependência de álcool é quatro vezes maior entre homens que mulheres. Essas diferenças do comportamento de beber seriam decorrentes de diferenças de absorção e metabolização do álcool entre os sexos? Em caso afirmativo, cite as diferenças.

Em virtude da sensibilidade maior das mulheres aos efeitos deletérios do álcool é provável que a o uso de álcool, no sexo masculino, tenha efetivamente uma maior prevalência.

2) Além do gênero, quais outros fatores interferem na metabolização do álcool?

O etanol é metabolizado de forma mais eficaz e mais rapidamente nos homens, comparativamente às mulheres. A presença de uma menor concentração da enzima desidrogenase alcoólica nas mulheres favorece a decomposição do álcool de forma mais lenta, mas gradual, o que reflete metabolicamente no corpo humano feminino. Essa enzima decompõe o álcool, hidroliza o etanol, “quebra” a molécula do álcool e com isso, na presença de uma quantidade menor dessa enzima, o álcool permanece mais tempo no organismo, agindo diretamente no Sistema Nervoso Central (SNC). A presença de alimentos no estômago diminui a absorção do álcool e a difusão pelas mucosas internas do tecido gástrico, o que é benéfico para diminuir a velocidade de absorção e consequentemente metabolização hepática.

3) Considerando-se que o álcool tem valor calórico de 7,1 kcal/g (valor aproximado ao referente à gordura, de 9 kcal/g), é certo afirmar que uma das conseqüências do consumo de álcool é o aumento do peso corporal? Há ganhos nutricionais com a ingestão de bebidas alcoólicas?

O álcool tem um alto valor calórico. Algumas bebidas alcoólicas apresentam fatores nutricionais importantes ao nosso organismo, como é o caso do vinho com alta concentração de compostos fenólicos e a cerveja com boas quantidades de minerais, além de alta concentração de carboidratos, ou seja, energia para as células. O álcool favorece a obesidade, alguns estudos mostram preferência para depósitos de gordura abdominal (há controvérsias), mas a ingesta excessiva de álcool, comparativamente ao gasto energético diário da pessoa, pode favorecer um balanço calórico positivo, que quando freqüente leva à obesidade.

4) Duas pessoas de mesmo sexo, massa corpórea e padrão de consumo de álcool (em termos de freqüência e quantidade) têm o mesmo risco de desenvolver dependência alcoólica?

Sim, o risco é semelhante e dependente de manifestação da expressão gênica do alcoolismo
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool