Xucurus criam AA para conter o alcoolismo

Xucurus de Ororubá arregaçam as mangas para combater a ingestão de urinca (cachaça na língua nativa). Um grupo de Alcoólicos Anônimos (AA) funciona desde 1995 na área indígena, coordenado por Ilário Gomes de Melo, 62, da aldeia São José.

Reúne 50 pessoas. “Quem incentivou a criação do AA foi cacique Xicão (Francisco de Assis Araújo, assassinado em 1998)”, revela. Ilário parou de beber em 1977. “Na verdade, eu não bebia. Comia com farinha”.

A venda de bebida alcoólica é proibida nas aldeias capinauás de Buíque e em terras cambiuás de Ibimirim. “Alcoolismo gera violência, é questão crítica em todas as etnias. Mas ainda não conseguimos controlar”, diz o professor capinauá José Ilton Bezerra, 33.

Na aldeia Nazário, em Ibimirim, o comércio de cachaça foi proibido em janeiro, por iniciativa das mulheres. A Funasa registrou no ano passado, 14 casos de transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de álcool nas comunidades Cambiuá, Pancararu, Pancararu Entre Serras e Pancará.

Autor: Seção Cidades
OBID Fonte: Jornal do Commercio – PE