Luta antimanicomial: Cuiabá trata pacientes com atenção e respeito

O programa de Saúde Mental do Sistema Único de Saúde de Cuiabá foi criado para promover a reinclusão dos pacientes com transtornos mentais na vida em sociedade. Os pacientes que antes ficavam internados em manicômios, distantes do convívio social, passaram a receber um tratamento mais digno.

Em Cuiabá, a qualidade de vida atual dos pacientes atesta o sucesso do programa, resultado do compromisso da gestão com a saúde do cidadão e do envolvimento dos profissionais com a causa. No dia 18 de maio, quando comemora-se o Dia Nacional do Movimento de Luta Antimanicomial, a secretaria fará um trabalho de mobilização da sociedade para combater a exclusão social de pessoas com transtornos mentais.

O atual modelo de tratamento desenvolvido pelo SUS/Cuiabá conta com uma estrutura que engloba 10 residências terapêuticas, mantidas pela prefeitura, e quatro Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). Hoje, são 76 pacientes morando nas residências terapêuticas e cerca de 200 cadastrados nos CAPS. Eles são atendidos por equipes multidisciplinares e freqüentam oficinas de artesanato, tapeçaria, assistem a vídeos, passeiam e se divertem.

Segundo Renata Simões, terapeuta ocupacional do CAPS do Verdão, esse novo modelo de trabalho é um avanço muito grande no tratamento dos pacientes psicossociais. Ela explica que dentro dos CAPS são realizadas atividades estimulantes. “São oficinas, jogos, passeios que ajudam a resgatar a auto-estima dos pacientes”, pontuou. Os pacientes das residências terapêuticas também freqüentam os CAPS.

Os pacientes que moram nas casas terapêuticas são aqueles que perderam o contato com a família e já estavam internados há muito tempo em manicômios. Foram resgatados e agora recebem um outro tipo de tratamento. Eles freqüentam os CAPS e participam das atividades desenvolvidas neles.

É nos centro que são realizadas as atividades e o acompanhamento de profissionais das áreas de assistência social, psicologia, psiquiatria, terapia ocupacional, clínicos e portadores de transtornos mentais que antes passavam anos internados em manicômios, isolados do convívio social, hoje são tratados com dignidade.

Autor: Últimas Notícias
OBID Fonte: Olhar Direto – MT