Internos psiquiátricos maltratados

O tratamento dado a pessoas com transtornos mentais em instituições psiquiátricas de Pernambuco foi alvo de um relatório elaborado pelo Núcleo da Luta Antimanicomial.

Em visitas a hospitas da rede de assistência à saúde mental, membros do Núcleo observaram que muitos internos estão sofrendo maus-tratos e tendo seus direitos descumpridos. “Constatamos situações graves de violação de direitos humanos, como pacientes sem roupas, sem alimentação, ou que perderam o vínculo com a família”, disse uma das coordenadoras do Núcleo, Nelma Melo. Além disso, segundo a coordenadora, 60% dos pacientes são de longa permanência, ou seja, a maioria está internada há dez anos ou mais. Em diversos casos, os pacientes morrem sem receber alta.

De acordo com o relatório, apresentado em uma reunião de representantes do Núcleo com o governador Eduardo Campos, ontem, Pernambuco ocupa o terceiro lugar no número de vagas psiquiátricas do Brasil. Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), existem, atualmente, 2.911 leitos em todo o Estado, divididos em 15 hospitais. No encontro, também foram apresentadas reivindicações relativas à reforma psiquiátrica em Pernambuco.

A principal demanda é a expansão da rede substitutiva – que transfere o atendimento a pacientes psiquiátricos para Centros de Assistência Psicossocial (Caps), residências terapêuticas e centros de convivência, em vez da internação.

Uma atenção intensiva à violação dos direitos humanos e uma aceleração no processo de desospitalização foram solicitadas na reunião. Para Nelma Melo, é necessário que o atual modelo de atendimento psiquiátrico seja modificado. “Esse modelo não atinge o objetivo de curar os pacientes.

A proposta é buscar alternativas ao isolamento. Os Caps oferecem tratamento mais humanizado”, afirmou. Segundo ela, o convívio social e um tratamento adequado às políticas de direitos humanos seria mais efetivo. Hoje, existem 35 Caps em Pernambuco, metade deles, no entanto, está na Região Metropolitana do Recife e outros 11 estão em processo de cadastramento, segundo a SES. “O ideal seria um Caps para cada 100 mil habitantes”, acrescentou a coordenadora.

Passeata

Para comemorar o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, celebrado em 18 de maio, será realizada uma passeata amanhã. A concentração será às 8h no parque Treze de Maio, em frente à Biblioteca Pública. Uma carta elaborada em conjunto com entidades relacionadas ao tema, profissionais da área e usuários será lida na Praça da República às 10h. O ponto de dispersão será no Marco Zero, no Recife Antigo. Este será o quarto ano do ato e o mote do movimento, que este ano completa 20 anos, é “Por uma sociedade sem manicômios”.

Autor: Larissa Brainer
OBID Fonte: Folha de Pernambuco-PE