Oficinas debatem acompanhamento de doente com transtorno mental

Profissionais avaliam as soluções para o atendimento

Com o tema “Oficinas distritais em saúde mental: tecendo redes para efetivar a reforma psiquiátrica em Belém”, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) promove oficinas de saúde mental para os profissionais de saúde. O evento, que irá até o dia 2 de junho, acontece no auditório do Hospital de Clínicas “Gaspar Vianna”.

O principal objetivo das oficinas é orientar e sensibilizar profissionais da rede municipal de atendimento básico de saúde, qualificando e capacitando os profissionais para a implantação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf), além de conhecer o trabalho dos Centros de Atendimento Psicossocial (Caps).

Para o coordenador de referência técnica e saúde mental de Belém, Paulo Peixoto, a reunião tem caráter prático também. “Estamos capacitando uma média de 300 pessoas, que já trabalham na área de saúde mental. Diversos temas são discutidos em grupos para avaliarmos a qualidade do atendimento”, explicou.

Segundo Paulo Peixoto, com as informações discutidas em sala de aula, será formulado um documento para se entregue ao poder público. “Nesse documento vão estar contribuições de nossos agentes e, sobretudo, apontamentos para uma melhor atuação aos Caps (Centro de Atuação Psicossocial)”, declarou.

De acordo com dados da Sesma, somente em Belém, 3% da população sofrem de distúrbios mentais severos; 12% têm problemas relacionados ao álcool e às drogas e 15% da população, em algum momento, vivem algum tipo de transtorno mental. “Esses números são considerados alarmantes para uma população como a de Belém. Estamos levantando os números de atendimento das Caps, mas sabemos que ainda não somos suficientes. Em toda a Região Metroplitana de Belém, existem apenas oito Caps”, disse Paulo Peixoto.

Autor: Atualidades
OBID Fonte: O Liberal – PA