Grande BH ocupa 2º lugar em consumo de cigarro

A região metropolitana de Belo Horizonte é a segunda em consumo de cigarro no país, perdendo apenas para a de São Paulo. De acordo com levantamento de 2006, último realizado pelo Ministério da Saúde, 20,4% dos homens e 15% das mulheres de Belo Horizonte são fumantes.

Em Minas, estima-se que 20% da população total seja dependente do cigarro. O índice é mais alto que a média nacional, que é de 16%.

A idade dos dependentes de cigarro na capital, que antes era de 18 anos, vem diminuindo e já é de 15 anos. Segundo o coordenador estadual de Pneumologia Sanitária da Secretaria de Estado da Saúde, Edilson Correa de Moura, Minas está preparando uma pesquisa inédita, que será feita em parceria com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), para identificar o perfil do fumante.

Pela percepção da coordenadoria, que trabalha diretamente com os fumantes, o percentual de dependentes no interior pode ser maior que na Grande Belo Horizonte. “Percebemos que nas áreas onde o Índice de Desenvolvimento Humano é mais baixo, há um maior número de fumantes”, afirmou Moura. Para ele, esta característica pode estar relacionada à falta de informação.

O estudo, que deverá ter custo total de R$ 1 milhão, pretende também investigar outros problemas como obesidade, dependência de drogas e diabetes, uma vez que 66% das doenças registradas em Minas são evitáveis.

Por ano, segundo o Ministério da Saúde, morrem cerca de 200 mil pessoas com causa diretamente relacionada ao tabagismo no Brasil. A estimativa é de que Minas responda por aproximadamente 10% dessas mortes. Só no tratamento de doenças diretamente relacionadas ao uso de cigarro, o país gasta, por ano, R$ 400 milhões.

Em Minas, este gasto gira em torno de R$ 40 milhões, segundo Moura. “É mais fácil e menos oneroso fixar metas de ações em prevenção do que gastar com tratamento”, ressalta o coordenador. Amanhã será comemorado o Dia Mundial sem Tabaco. (EM)
Autor: Editoria Cidades
OBID Fonte: O Tempo – MG