Peso, alimentação e até sexo influenciam nos efeitos do álcool

Quem sair de casa dirigindo e estiver disposto a beber deverá estar pronto para fazer muitos cálculos, mas sem garantias de que chegará a uma conclusão lógica. Não é possível saber ao certo, por exemplo, quanto tempo leva para o organismo ficar completamente livre dos efeitos do álcool.

Segundo especialistas, o metabolismo humano depende de fatores como peso e altura do usuário, se pratica exercícios físicos, se tem problemas de saúde, se consumiu apenas um tipo de bebida alcoólica, se foi associado a algum alimento doce, salgado ou gorduroso e, ainda, se ingeriu bastante água depois do álcool.

O médico Paulo Pinheiro, ex-diretor do Hospital Municipal Miguel Couto, lembra que, anteriormente, a lei estabelecia a tolerância em seis decigramas — três tulipas de chope ou três taças de vinho ou três doses de uísque.

Se seguir esta lógica, segundo o médico, a tolerância de dois decigramas, determinada pelo decreto em vigor desde a semana passada, corresponde a um terço disso: uma tulipa ou uma taça ou uma dose de uísque.

— Mas isso é variável. Depende de peso, altura, metabolismo, e ainda se a pessoa bebeu grande quantidade de água, se fez exercício físico. Pode variar de uma pessoa para outra. Uma pessoa pode beber uma taça de vinho e ficar zonza. Teoricamente, o organismo leva de seis a oito horas para eliminar o álcool, mas isso também varia.

Se a pessoa beber muita água, por exemplo, o álcool é eliminado mais rapidamente — disse Pinheiro.

Bafômetro pode pegar até bombom de licor Fiscal do Conselho Regional de Nutricionistas, Samara Crancio explica que os efeitos do álcool podem ser potencializados se o usuário estiver com o estômago cheio ou se associar a alimentos com alto teor de gordura ou ao café. Até quem come bombons à base de licor pode ser pego no bafômetro: — Se a tolerância fosse zero, um bombom pode ser detectado. Em média, um bombom de licor demora de 10 a 15 minutos para ser eliminado do organismo e, aí, progressivamente. Como leva gordura, é mais resistente.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Nutrologia, Durval Ribas Filho, os efeitos do álcool também variam em relação ao sexo. Um homem de cem quilos tem mais resistência ao álcool do que um de 70 quilos.

Mulheres têm seis vezes menos resistência à bebida.

— O álcool tem um alto poder de combustão. Evapora muito rapidamente.

Se uma pessoa bebe e imediatamente é submetida ao bafômetro, o resultado será um. Se só usa o bafômetro quatro horas depois, será outro.

Se quatro horas depois e ainda ingerir açúcar, será ainda mais diferente.
Autor: Antônio Werneck, Carla Rocha, Ediane Merola e Paulo Marqueiro
OBID Fonte: O Globo-RJ