Problemas na infância são associados ao alcoolismo

Crianças que passam por experiências negativas, como divórcio dos pais ou abuso, tendem a beber mais cedo do as que não enfrentam tais problemas na infância, sugere uma pesquisa feita com cerca de 3.600 americanos com idade entre 18 e 39 anos. De acordo com o estudo, publicado na edição de agosto do jornal Pediatrics, pessoas que carregam um histórico problemático têm mais chances de começar a beber antes dos 15 anos.

A pesquisa foi liderada por Emily F. Rothman, da Escola Universitária de Saúde Pública de Boston, nos Estados Unidos. Foi feita uma amostragem nacional de americanos adultos que bebiam ou que ainda bebem, que tiveram de responder a um questionário. Entre as perguntas, eles deveriam falar sobre a infância que tiveram, idade em que começaram a beber e o que os motivou a isso.

Cerca de dois terços dos entrevistados afirmaram ter tido ao menos uma experiência negativa quando crianças. No entanto, apenas cinco dessas experiências foram associadas diretamente à bebida: abuso físico, abuso sexual, abuso de substâncias em casa, ter um membro da família com problemas mentais e separação ou divórcio dos pais.

A conclusão foi que essas adversidades, além de precipitar o hábito da bebida, funcionavam como paliativo para os problemas. Nesses casos, podem aumentar as chances de uma pessoa se tornar dependente do álcool na vida adulta. Apesar das descobertas, os pesquisadores ressaltam que nenhuma dessas experiências negativas são determinantes para antecipar o hábito da bebida. Uma das razões também pode ser, segundo eles, a falta de supervisão dos pais.
Autor: Veja Online
OBID Fonte: Veja Online