Responsabilidade social e ética

Hoje, o merchandising em filmes é escancarado. Bom, ao menos é transparente. Antigamente, os astros de Hollywood faziam propaganda de muitas coisas das quais a gente nem tinha consciência. Dizem que quando Clark Gable tirou a camisa, revelando que estava sem camiseta, as vendas dessa peça que todo mundo usava por baixo desabaram e nunca mais voltaram a ser as mesmas.

Há tempos não se vê gente fumando em filme americano. A não ser em filme de época, ou que retrata um assunto específico como a guerra do Vietnã. Aliás, os filhos de Sam foram os primeiros a declarar guerra total ao cigarro. Há 10 anos, era até folclórico ver alguém em Nova York tomar o elevador para ir fumar na rua. Hoje, quem fizer isso corre o risco de ser ofendido, ou pior, ir em cana.

Filmes europeus, franceses em especial, ainda mostram um ou outro fumando. E olha que a França já proibiu totalmente o cigarro em restaurantes, nos quais, até recentemente, havia lugar para os fumantes.

Porque engorda

Segundo o Ministério da Saúde, em 1989, 32% dos brasileiros com mais de 15 anos eram fumantes. Em 2003, esse número havia caído para 19%. Ultimamente o número aumentou.

Uma pesquisa da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro e da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) divulgada em 2007 concluiu que dois terços das pessoas que experimentam um cigarro se tornam viciadas. “Mesmo com toda a legislação, considerada avançada no combate ao tabagismo no Brasil, a pesquisa revela que 20% dos brasileiros ainda fumam, e quase 50% deles estão na região Sudeste”, afirma a endocrinologista Ellen Simone Paiva, diretora do Centro Integrado de Terapia Nutricional (Citen), de São Paulo, SP.

Uma das queixas mais freqüentes de quem tenta parar de fumar é que a pessoa engorda. “Parar de fumar predispõe realmente ao ganho de peso. Vários fatores concorrem para esse fato. Inicialmente, a bem conhecida redução do apetite causada pela nicotina deixa de atuar, liberando os estímulos de fome que passam a ser normais ao invés de exacerbados, como pensam alguns. Além disso, o paladar e o olfato tornam-se mais sensíveis aos alimentos, que adquirem sabores e cheiros irresistíveis, fazendo com que as glândulas salivares atuem, produzindo mais saliva na expectativa de ingestão do alimento tão desejado”, explica a endocrinologista.

“É possível parar de fumar e não engordar, seguindo um plano alimentar que fracione alimentos e evite aqueles que naturalmente se relacionam fortemente com o fumo, como as bebidas alcoólicas e o café. Nesse processo devem ser priorizados aqueles que afastam a vontade de fumar, como as balas e os doces em suas versões lights, principalmente aqueles com sabor mentolado e de frutas. Parar de fumar não faz o paciente sentir fome além do normal. O que ocorre é que ao abandonar o cigarro, o paladar volta a funcionar e surge ´a fome normal dos não-fumantes´, antes reprimida pelo fumo”, explica Ellen Simone Paiva, que também é nutróloga.

Fumo afeta todo o corpo

Em 2004, foi divulgado um relatório do governo americano advertindo que fumar causava uma série de doenças até então não relacionadas ao tabaco.

Ainda em 2004, cientistas demonstraram que o fumo também influía no declínio do cérebro, de acordo com estudo publicado na revista Neurology e feito pelo grupo de pesquisa Eurodem (Ação Conjunta da Comunidade Européia para a Epidemiologia da Demência) com 9.209 pessoas na Dinamarca, França, Holanda e Reino Unido.

Os cientistas avaliaram o estado mental de homens e mulheres com mais de 65 anos e descobriram o seguinte: quem nunca fumou tinha 0,03% por ano de declínio das atividades cognitivas; ex-fumantes, 0,06%; e fumantes, 0,16%.

Durante muito tempo se associou o alto poder do cigarro de causar dependência à nicotina. Mas, no ano passado, o Laboratório Nacional Brookhaven, dos EUA, revelou através de pesquisas que há centenas de outras substâncias no tabaco que também podem influir.

Apesar dessas más notícias, o vicío do fumo é forte. Tanto que há pelo menos duas datas de alerta: 31 de maio é o Dia Mundial de Combate ao Fumo e 29 de agosto, o Nacional.

Engel Paschoal (engelpaschoal@uol.com.br) é jornalista e dá cursos e palestras sobre responsabilidade social.
Autor: Engel Paschoal/Lucila Cano
OBID Fonte: O Povo – CE