fbpx

Saúde capacita a rede para o tratamento contra as drogas

A etapa macrorregional do curso de capacitação cocaína/crack reuniu sexta-feira e sábado em Santa Cruz do Sul 250 trabalhadores de hospitais, universidades e outras pessoas de 35 municípios dos vales do Rio Pardo e Taquari. A organização esteve sob a responsabilidade da equipe de servidores da 13ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), delegada adjunta e delegada regional de saúde. A programação se desenvolveu em espaço cedido pelo Sindicato das Indústrias do Fumo e da Alimentação, em Santa Cruz do Sul.

A coordenadora da 13ª CRS, Liane Pauli, informou que a atividade é conseqüência da preocupação com o crescimento no número de casos de usuários de drogas. Ela explica também que o governo estadual vai aumentar o número de leitos nos hospitais e fortalecer as fazendas terapêuticas, com apoio financeiro e técnico. Conforme a coordenadora, os dependentes vão fazer a desintoxicação no hospital, depois irão para as fazendas terapêuticas para então realizarem o tratamento ambulatorial.

A promoção da capacitação foi da Secretaria Estadual da Saúde, executada pela Universidade Corporativa Mãe de Deus. Na primeira parte do curso houve explicações relacionadas aos conceitos para deixar o grupo no mesmo patamar de conhecimento sobre o assunto. Depois, houve abordagens práticas, como os melhores procedimentos e medicamentação. Os participantes compõem a 16ª Coordenadoria Regional de Saúde, com sede em Lajeado; a 8ª Coordenadoria Regional de Saúde, com sede em Cachoeira do Sul, e a 13ª Coordenadoria Regional de Saúde, de Santa Cruz do Sul.

ATENÇÃO INTEGRAL

Entre os participantes estavam 210 trabalhadores em saúde que fazem parte de serviços que compõem a rede de atenção integral em saúde: técnicos de enfermagem, agentes comunitários de saúde, médico generalista, ginecologistas, psiquiatras, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos, nutricionistas, terapeutas ocupacionais, odontólogos, auxiliares de consultório dentário, consultores em álcool e drogas, monitores, auditores, visitadores do Programa Primeira Infância Melhor, docentes e alunos da área de cursos de nível superior e técnico na área de saúde.

Na avaliação da coordenadora, Liane Pauli, o curso contribuiu para a avaliação da atenção e possível reestruturação/organização do cuidado em saúde e para amenizar os desconfortos que advêm do uso, abuso e dependência de drogas por parte da população da macrorregião de saúde. Ressalta a importância no fortalecimento da capacitação da rede e da intersetorialidade, com a participação de corporações como os Bombeiros, Brigada Militar e todos os órgãos de saúde.
Autor: Seção Regional
OBID Fonte: Gazeta do Sul