SPPT e Socesp atendem a população no Dia Nacional de Combate ao Fumo

A Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), em parceria com a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), promove importante prestação de serviço em 29 de agosto, Dia Nacional de Combate ao Fumo. Entre 10h e 14h, fará um mutirão de esclarecimento à população, no Conjunto Nacional, na Avenida Paulista, sobre o maior causador mundial de morte evitável, o tabaco.

“Temos de educar a comunidade e até a classe médica a combater sem tréguas o fumo. Também é importante incentivar quem já se tornou dependente a procurar tratamento especializado. Aliás, os médicos de todas as especialidades devem estimular os pacientes fumantes a buscar tratamento”, defende o dr. José Eduardo Delfini Cançado, presidente da SPPT.
Durante a ação no Conjunto Nacional, especialistas das sociedades médicas prestarão atendimento básico à comunidade. Serão aplicados exames, como o de espirometria medindo a capacidade pulmonar, além de questionários para avaliar o grau de dependência à nicotina e os sintomas respiratórios. Também haverá distribuição de material educativo sobre as doenças respiratórias e cardiovasculares relacionadas ao tabaco.

Segundo o dr. Cançado é preciso acabar com o preconceito contra o tabagista, afinal o tabagismo é uma dependência química e assim deve ser encarado. “Friso mais uma vez que é essencial recorrer a tratamento, pois sem esse apoio, apenas 3% a 5% dos fumantes conseguem parar. A porcentagem é muito baixa porque a nicotina vicia mais do que a cocaína e do que o álcool”.
Hoje no Brasil morrem por volta de 200 mil pessoas ao ano por doenças relacionadas ao tabaco. A fumaça do tabaco apresenta mais de 4.700 substâncias consideradas danosas ao organismo e a nicotina causa uma série de efeitos no cérebro. O tabagismo é responsável por mais de 50 doenças diferentes. Segundo a previsão da OMS, se não houver programas eficientes para a diminuição do consumo, em 2025 serão onze milhões de mortes no mundo por ano.

“Trata-se do mal do século”, diz o presidente da SOCESP, dr. Ari Timerman. “Quem fuma tem 200% a mais de risco de ter um derrame ou um infarto. Temos de fazer de tudo para combater esse problema de saúde pública”.
Além dos fumantes ativos, cerca de um terço da população mundial é tabagista passivo. “Uma medida bastante efetiva adotada nos países da Europa e da América é o aumento do custo. No Brasil, o cigarro ainda é muito barato. Essa mudança tem de acontecer no nosso país em um futuro próximo, assim inibirá os jovens a iniciar o tabagismo”, pondera o dr. Cançado.
Autor: Seção Notiícias
OBID Fonte: Vale do Ivinhema Agora