Cigarro dos outros mata 7 por dia no país, diz estudo

Tabagismo passivo faz 2.655 adoecerem por ano.

A cada dia, pelo menos sete brasileiros morrem por doenças provocadas pela exposição passiva à fumaça de cigarro. Segundo estudo realizado por pesquisadores do Instituto Nacional de Câncer (Inca) e do Instituto de Estudos de Saúde Coletiva da UFRJ, 2.655 não-fumantes, no mínimo, morrem no Brasil todos os anos por doenças atribuíveis ao tabagismo passivo. Mulheres morrem mais (60,3%). Como a pesquisa se limitou a ambientes domésticos urbanos, a extensão pode ser bem maior.

? Se fossem incluídos os ambientes de trabalho, o número de mortes seria certamente mais expressivo ? diz o diretor do Inca, Luiz Antonio Santini.
Foram pesquisadas apenas as três principais doenças relacionadas ao tabagismo passivo: câncer de pulmão, doenças isquêmicas do coração (como infarto) e acidentes vasculares cerebrais.
Definiu-se como fumante passivo aquele que nunca fumou e que mora com pelo menos um fumante. Não fizeram parte da população avaliada fumantes e ex-fumantes. A faixa etária estabelecida foi de 35 anos ou mais.

? Os agravos que estudamos dependem da exposição cumulativa do indivíduo à fumaça do tabaco ? explica Valeska Figueiredo, pesquisadora do Inca que coordenou o estudo com Antonio José Leal Costa, da UFRJ.
A pesquisa, inédita no país e, segundo o Inca, uma das primeiras no mundo, é uma das ações pelo Dia Nacional de Combate ao Fumo, este ano com o tema “Ambientes 100% livres de fumo: um direito de todos”.

? Fica comprovado que ambientes específicos para fumantes não têm resultado ? ressalta Santini.
Autor: Editoria O País
OBID Fonte: O Globo – RJ