Entrevista com Dr. Arthur Guerra de Andrade – Pesquisa sobre uso de drogas


1) Dr. Arthur, soubemos que o Sr. será o responsável técnico e coordenador-geral do ?I levantamento nacional sobre o uso de álcool, tabaco e outras drogas entre universitários das 27 capitais brasileiras?. O Sr. poderia nos falar um pouco mais a respeito?

Essa pesquisa, de iniciativa da Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD), identificará a prevalência do uso de álcool, tabaco e outras drogas entre os universitários brasileiros em nível nacional, ou seja, nas 27 capitais. É uma proposta inédita, inovadora e de relevante impacto social. Embora alguns estudos já tenham abordado o tema entre os universitários, ainda se tratam de tentativas isoladas, regionalmente focadas e com pouca reflexão sobre a situação nacional. Assim, esse retrato ainda é desconhecido e necessita de esclarecimento. Além disso, ao identificar-se que o uso de drogas é mais prevalente entre os jovens adultos (18-24 anos) e que a fase universitária é um momento sensível e vulnerável de suas vidas, os resultados da pesquisa auxiliarão no planejamento e desenvolvimento de políticas públicas que, a médio e a longo-prazo, sejam capazes de reduzir a prevalência do consumo de substâncias por esse segmento social, bem como reduzir suas implicações e conseqüências. A esse respeito, será incentivado o desenvolvimento de programas de prevenção que possam atingir a origem do problema, implicando em menos custos à União, já que o tratamento das manifestações clínicas é crônico e, juntamente a outras implicações sociais (decorrentes do uso de drogas) requer consideráveis gastos.

2) Como o Sr. mesmo afirmou, a pesquisa será um retrato do consumo de drogas entre os universitários brasileiros. Porém, o Sr. acredita que esse retrato possa ser identificado, de forma plena, apenas por medidas de prevalência de consumo?

O comportamento do uso de drogas é multifatorial, logo, é bastante complexo. Pensando nisso, o levantamento foi dividido em oito sub-projetos, a serem coordenados e executados por equipes distintas. Embora o objetivo principal seja identificar a prevalência de uso de álcool, tabaco e outras drogas entre os universitários, outros aspectos serão avaliados, entre eles a idade de início do uso de drogas, progressão de uso, motivações, fatores e comportamentos de risco (com ênfase às atividades sexuais, ?beber e dirigir? e comportamentos violentos) e conseqüências associadas ao consumo de drogas, assim como o uso múltiplo de substâncias. A situação de abuso ou uso problemático dessas drogas, a prevalência de comorbidades psiquiátricas (depressão e sofrimento psicológico) e a avaliação dos programas pedagógicos das instituições de nível superior (IES) sorteadas (sobre a existência e tipos de programas que abordem o tema entre seus alunos) serão avaliados detalhadamente.

3) Ainda dentro do tópico sobre o uso de drogas entre universitários, há alguma outra iniciativa a ser realizada?

Também nesse ano será realizado o ?III levantamento sobre a prevalência do uso de drogas e opiniões/atitudes entre os estudantes da Universidade de São Paulo (USP)?, dando continuidade à série histórica de estudos que iniciaram na instituição no ano de 1996 (1996, 2001, 2008), com o propósito de acompanhar a evolução do consumo de substâncias psicoativas por esse segmento, na última década. Paralelamente, temos retomado na Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) as atividades do antigo ?Programa de Prevenção e Tratamento ao Uso de Drogas na USP? – PRODUSP, agora denominado por Você Med, que visa o desenvolvimento de um ambiente saudável e sem drogas. Fundamentado na perspectiva qualitativa de pesquisa, esse projeto complementará os dados quantitativos coletados pelo levantamento e auxiliará na compreensão do fenômeno em todas suas vertentes, dirigindo o planejamento e desenvolvimento de programas de intervenção (especialmente prevenção) que possam ser implantados, com sucesso, em todos os campi e unidades da USP.

4) Dr. Arthur, há alguma previsão para a divulgação desses dados?

Ambos os levantamentos são de grande porte e juntos somarão quase 45 mil entrevistados, reproduzindo o tamanho de amostra que tem sido utilizada por estudos internacionais a respeito. Assim, o número de questionários e informações é volumoso, mas, conforme inicialmente previsto, todos os dados serão divulgados no início do primeiro semestre de 2009. A partir daí, esses dados serão analisados, juntamente às informações qualitativas, de tal forma a definir, de forma verossímil, o retrato do uso de drogas entre os universitários brasileiros.
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool