Prevenção e informação são marcas de campanha

Semana de Prevenção ao Uso Indevido de Drogas vai até sexta-feira, 19 de setembro.

Informação e prevenção. Para o Conselho de Política sobre Drogas do Distrito Federal (Conen), órgão ligado à Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania, essas duas palavras resumem e direcionam o trabalho que está sendo desenvolvido para os jovens da rede pública de ensino. O objetivo é orientar os menores sobre os malefícios causados pelo consumo de entorpecentes, além de alertar pais e profissionais da educação sobre o problema, que tem crescido no DF.

Até sexta-feira, será realizada a 12ª Semana de Prevenção ao Uso Indevido de Drogas em todas as escolas públicas do DF para conscientizar a comunidade acadêmica. A ação acontece desde 1997, quando foi aprovada a Lei nº 1.433.

O presidente do Conen, João Marcelo Mendes Feitosa, explicou que o evento oferece palestras e aulas especiais ministradas por uma equipe multidisciplinar do conselho.

? São delegados, psicólogos, médicos e assistentes sociais informando aos alunos sobre os problemas que podem surgir a partir do uso de substâncias tóxicas. Não é só o uso de drogas, mas todo o processo que o envolve, como o tráfico e a criminalidade que temos que combater ? completou.

Hoje, haverá um seminário no auditório do Ministério Público do DF, para professores e diretores, que abordará o tema Drogas e trânsito: a educação como fator de prevenção e exercício da cidadania. À noite, haverá sessão solene na Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Mapa estatístico

O presidente do conselho informou que não existem dados estatísticos sobre o número de alunos que se envolvem com drogas no DF, mas ele garantiu que até o final do ano será possível conhecer a realidade dos jovens brasilienses.

? A cada palestra nas escolas, nós entregamos questionários para os alunos responderem. Só assim, teremos a exata noção de como andam os jovens e as drogas ? disse.

Ele ressaltou ainda que o trabalho não se resume apenas a esta semana e que, de acordo com a demanda das escolas públicas, a equipe do conselho, que reúne 12 pessoas, irá aos centros de ensino para dar informações aos alunos.

? Nós temos trabalhado de acordo com a demanda. Nossa equipe é pequena, mas damos prioridades. Santa Maria, por exemplo, tem solicitado bastante a presença do conselho ? acrescentou Feitosa.

Além de Santa Maria, Samambaia, Brazlândia, São Sebastião, Recanto das Emas, Planaltina e Ceilândia são cidades que têm registrado aumento do envolvimento dos alunos com drogas.

? Geralmente, os diretores ou professores solicitam nossas palestras quando percebem que já há um aumento do registro de ocorrências. O trabalho preventivo é muito eficiente ? assegurou.

Conscientização dos alunos

O presidente do Conen disse que as reclamações mais comuns dos diretores e professores são as festas promovidas pelos alunos, regadas com muita bebida e droga.

? O sintoma mais grave de que houve aumento do consumo de drogas entre os alunos da rede pública são as festas promovidas nos períodos vespertinos e até matutinos. O jovem menor de idade abre a casa e convida os colegas para participar de eventos onde sempre são encontradas drogas e bebida ? disse.

Ele acredita que quando o jovem não tem acesso à informação dentro de casa, ele se torna mais vulnerável e, por isso, a informação levada pelo conselho é sempre muito eficiente.

Cerca de 3.500 alunos participaram das palestras do conselho nos últimos dois meses, mas as ações ainda não suprem toda a necessidade do DF.

? O governo deve ser mais enfático no combate ao uso de drogas, porque isso acaba trazendo problemas não só para o usuário, mas para toda a sociedade ? disse ele.
Autor: Isabel Freitas
OBID Fonte: Jornal do Brasil – RJ