Pesquisa mostra altas taxas de uso de drogas entre estudantes de farmácia

Uma pesquisa feita com estudantes de farmácia da Universidade Federal do Espírito Santo atestou importante consumo e chama a atenção para o uso elevado de drogas entre estudantes das universidades brasileiras. Flávia Batista Portugal, Renata Santos de Souza, Vitor Buaiz e Marluce Miguel de Siqueira, do Núcleo de Estudos sobre Álcool e outras Drogas do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Espírito Santo (NEAD-CCS-Ufes) investigaram, com aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Ufes, 185 alunos matriculados nos nove períodos do curso, chegando à amostra final de 148 estudantes.

De acordo com artigo, publicado na última edição do Jornal Brasileiro de Psiquiatria, ao longo do ano, “as drogas lícitas foram as mais utilizadas (álcool e tabaco com 77,7% e 12,2%, respectivamente), e entre as ilícitas, os ansiolíticos (7,4%), a maconha (6,1%) e as anfetaminas (6,1%) foram as mais prevalentes. Quanto ao uso no mês, nota-se maior uso de álcool (58,1%), tabaco (5,5%), ansiolíticos (4,1%), maconha (3,4%), anfetaminas (2,7%) e inalantes (1,4%). Tanto no uso freqüente quanto pesado, o álcool é a substância mais prevalente, 18,2% e 8,1%, respectivamente”.

Para os autores, os resultados são inquietantes, principalmente em relação ao álcool e tabaco, “substâncias amplamente difundidas e aceitas pela sociedade” e que “geram danos não só ao organismo do estudante, mas também a toda a sociedade”. Além disso eles alertam a comunidade acadêmica para a necessidade de “a temática da substância psicoativa ser abordada nos currículos universitários, em especial naqueles envolvendo estudantes da área da saúde, por causa de sua responsabilidade futura em detectar e auxiliar no tratamento do uso abusivo de substâncias psicoativas”.
Fonte: Site Álcool e Drogas sem Distorção (www.einstein.br/alcooledrogas) / NEAD – Núcleo Einstein de Álcool e Drogas do Hospital Israelita Albert Einstein