A redução do preço de bebidas alcoólicas como fator contribuinte ao aumento da mortalidade decorrente de seu consumo


Embora exista uma relação entre o preço de venda do álcool, seu padrão de consumo e a incidência de problemas, poucos estudos examinaram o impacto de uma possível redução de preço sobre os distintos subgrupos populacionais. Devido a uma redução do preço das bebidas alcoólicas, na Finlândia, no ano de 2004, os autores do presente estudo avaliaram a extensão com que essa diminuição e o conseqüente aumento de consumo afetaram a mortalidade geral entre os bebedores, além de observarem o efeito sobre estratos populacionais distintos.

A pesquisa comparou a mortalidade no período pré-redução de preço (2001-2003) ao período pós-redução (2004 e 2005). Como mortes relacionadas ao álcool foram consideradas aquelas que tivessem a substância como causa fundamental ou contribuinte, seguindo os critérios estabelecidos pela ?Classificação Internacional de Doenças? ? CID-10. Para fins de análise, as causas de morte foram agrupadas em duas categorias, ou seja, doenças agudas e crônicas. Já os estratos sociais foram diferenciados conforme as seguintes variáveis: (a) gênero, faixa etária e causa mortis; (b) nível de escolaridade e classe socioeconômica e (c) renda familiar e atividade econômica.

Do período pré ao pós-redução houve um aumento de 16% da mortalidade entre os homens e 31% entre as mulheres; 82% do aumento foi devido a causas crônicas, especialmente doenças hepáticas, sugerindo que bebedores pesados sejam especialmente responsivos a esse tipo de variação. Em termos absolutos, o aumento foi maior entre homens de faixa etária entre 55-69 anos e mulheres de 50-54 anos. Entre pessoas com faixa etária de 30-59 anos, o aumento da mortalidade foi maior entre os desempregados, os precocemente aposentados, indivíduos com baixo nível de escolaridade, baixa classe socioeconômica ou baixa renda familiar. Conforme os autores, a diferença de mortalidade devido à classe socioeconômica e nível de escolaridade poderia ser parcialmente explicada pela interferência distinta da redução de preço sobre cada um dos tipos de bebida e sua preferência por cada estrato populacional. Por fim, indivíduos que estivessem empregados ou com idade inferior a 35 anos não sofreram aumentos de mortalidade durante os 2 anos após a redução de preços.

Em linhas gerais, esses resultados apontam que uma redução significativa do preço do álcool causa um aumento substancial dos casos de morte e de forma distinta conforme o estrato social do bebedor. Assim, o aumento de preços pode ser um fator protetor à população menos privilegiada, enquanto que sua redução pode causar um impacto ainda maior entre aqueles que já estão, de alguma forma, predispostos a problemas associados ao consumo de álcool.
Título: Changes in Alcohol-Related Mortality and its Socioeconomic Differences After a Large Reduction in Alcohol Prices: A Natural Experiment Based on Register Data

Autores: Kimmo Herttua, Pia Mäkelä , and Pekka Martikainen
Fonte: Am J Epidemiol. 2008 Aug 20
IF: 5,241
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool