Lei Seca triplica prisões em rodovias do CE

Proibição: apesar do aumento no número de prisões, a Lei Seca não conseguiu dissuadir boa parte deles de beber mesmo quando vão conduzir um veículo.

Levantamento da Polícia Rodoviária Federal mostra que em cinco meses 60 motoristas foram presos no Estado

Em apenas cinco meses de Lei Seca em vigor no País — como ficou conhecida a Lei 11.705 — , 60 motoristas alcoolizados foram presos em rodovias cearenses. Como em igual período no ano passado, de um total de 38 pessoas detidas por crimes de trânsito, 20 estavam embriagadas, em 2008 o número de prisões efetuadas somente no período de 20 de junho a 20 de novembro por consumo de álcool triplicou, ou seja, aumentou em 300%.

Os dados são do último levantamento divulgado, ontem, pelo Departamento de Polícia Rodoviária do Ceará e levam, ainda, a duas constatações: a Lei Seca aumentou o número detenções de motoristas alcoolizados, mas não conseguiu dissuadir boa parte deles de beber mesmo quando vão conduzir um veículo.

“A Polícia Rodoviária Federal vê o problema com olhos de preocupação, porque a sociedade não está respeitando a lei” “comentou o inspetor da PRF, Darlan Antares. E para que predomine a paz no trânsito, acrescenta, é preciso haver boas rodovias, fiscalização e “também condutores que respeitem as leis, limites de velocidade e sinalizações”.

Conforme ainda o último levantamento da PRF no Ceará, neste período de cinco meses aumentou em 118% o número de prisões efetuadas por diversos crimes de trânsito inclusos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), tais como lesão corporal culposa, homicídio culposo, prática de “rachas”, presença de teor de álcool entre os motoristas além do permitido, evasão do local de acidente e omissão de socorro.

A prática dos “rachas” também é vista como grave para a Polícia Rodoviária, explica o inspetor Darlan, porque causa vítimas e danos materiais, ao patrimônio público e privado.

Ainda quanto à Lei Seca, ele comenta que o infrator é quase sempre do sexo masculino na faixa etária entre 25 e 35 anos e as prisões são mais comuns e na capital e em municípios da Região Metropolitana de Fortaleza, como em Caucaia, Maracanaú, Maranguape, Eusébio e Aquiraz. No interior, destacam-se em desrespeito à Lei 11.705 os municípios de Jaguaribe, Sobral e Canindé. Ao contrário do que se imagina, em rodovias federais de todo estado também são comuns esse tipo de infração por parte dos motocilistas.

Tanto na capital como no interior, as prisões por uso de álcool é mais freqüente após as 22 horas e em fins de semana. “Nossa média é de duas prisões a cada dia nos fins de semana”, disse inspetor.

Apesar de reclamar de que nem sempre a Lei Seca é observada, o inspetor lembra que em alguns casos “hoje já se toma a providência de pedir para esposa dirigir ou então o motorista deixa o carro em casa quando pretende beber”.

BAFÔMETRO
Detran realiza 5.710 exames

Após 4 de julho, quando começou a aplicar o teste do bafômetro, até o último domingo, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) já realizou 5.710 exames para identificar o teor de álcool no condutor do veículo, resultando em 505 exames positivos, dos quais 262 no Interior e na Região Metropolitana e 243 na Capital.

As informações são do gerente de Fiscalização do Detran, Pedro Forte. Adianta que, entre as 505 ocorrência de exames positivos, 140 motoristas foram presos pois estavam em condições que caracterizavam crime no trânsito. No caso, eles apresentaram teor de álcool acima de três décimo de miligramas por litro de ar expelido do pulmão.

Além da detenção, esses motoristas tiveram a Carteira de Habilitação suspensa por um ano e receberam multa no valor de R$ 957,50. “Na realidade, essas penalidades são aplicadas se o exame do bafômetro apresentar resultado positivo. Agora, a prisão só é efetuada conforme o teor de álcool comprovado no condutor”, disse Pedro Forte.

Já o acompanhamento da Lei Seca realizado pela Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e de Cidadania de Fortaleza (AMC), somente neste mês, efetuou seis testes e autuações, seguidos de prisões dos condutores.
Autor: Mozarly Almeida
OBID Fonte: Diário do Nordeste-CE