Pesquisa mostra uso e outras substâncias entre motoristas

Há muito mais substância no sangue dos motoristas que trafegam pelas rodovias federais no Piauí do que imaginam as autoridades. Pesquisa realizada nas duas principais BRs no Estado mostrou que além do álcool, 6% dos motoristas pesquisados tinham usado outro tipo de droga ou mesmo outro tipo de substância psicoativa, que mesmo que não fosse ilegal, impossibilitava o motorista de dirigir devido aos seus efeitos.

A pesquisa foi realizada há cerca de 40 dias, mas somente na semana passada o resultado foi divulgado pela Polícia Rodoviária Federal no Estado, uma das parceiras do estudo, juntamente com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS). Segundo o inspetor Ciro Ricardo Figueiredo Araújo, chefe do Departamento de Fiscalização e Policiamento da PRF no Piauí, a pesquisa foi realizada nos Postos 1 e 2 nas BRs 343(saída para Altos) e 316(saída para Demerval Lobão), respectivamente.

Essa pesquisa faz parte de um projeto realizado em parceria entre a UFRS e a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) e foi feita em vários estados sempre com o uso dos etilômetros, aparelhos conhecidos antigamente como bafômetros. Pela parceria ficou decidido que os policiais rodoviários irão fazer um aperfeiçoamento na UFRS para combater este tipo e delito e que a universidade seria a responsável pela doação de cerca de três mil etilômetros para serem distribuídos entre todas as superintendências da PRF no Brasil.

Mas, segundo o inspetor, com a chegada dos 10 mil etilômetros anunciados pelo Ministério da Justiça e cuja distribuição deverá começar hoje, já será possível verificar se além do álcool o motorista usou qualquer outro tipo de droga. Atualmente a Superintendência da PRF no Piauí conta com apenas 10 destes aparelhos, sendo que apenas sete estão funcionando a contendo.

Para o Piauí, conforme Ciro Ricardo, o ideal seria o uso de 25 a 30 aparelhos que seriam distribuídos entre as 10 delegacias existentes hoje no Estado, além de uma em cada viatura de fiscalização, não esquecendo os de reservas.
Autor: 180 Graus-PI
OBID Fonte: 180 Graus-PI