Jogo duro contra o álcool

Polícia Rodoviára Federal monta esquema forte para punir quem estiver dirigindo com sintoma de embriaguês. Patrulheiros estarão de olho também nos imprudentes.

Com a chuva, os perigos aumentam nas rodovias, como esta queda de barreira na BR-381, sentido Belo Horizonte-Vitória

Réveillon é tempo de festas e de badalação. Mas dirigir embriagado vai resultar em multa pesada no bolso e até prisão para quem desrespeitar a Lei Seca. Quem não quer passar a virada do ano na delegacia, contribuir com mortes nas estradas e nas ruas ou começar 2009 com dívida de quase R$ 1 mil é melhor redobrar a atenção. Com o objetivo de punir os imprudentes, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) montou uma operação especial nas rodovias brasileiras: em vez de distribuir policiais de maneira uniforme ao longo das estradas, a corporação vai se concentrar nos pontos onde o consumo de álcool é maior.

O inspetor da PRF em Brasília, Alexandre Castilho, informou que a fiscalização em alguns pontos será feita com efetivo dobrado. Os policiais dos 400 postos têm à disposição 500 bafômetros para usar durante o feriado, além de 2 mil viaturas, 10 helicópteros e 500 radares móveis. A Operação Fim de Ano, que inclui também o Natal, teve início dia 20 e continua até 4 de janeiro. Segundo Castilho, os 61 mil quilômetros de rodovias em todo o país serão fiscalizados com rigor.

Mas em Minas Gerais a situação se complica ainda mais. Além de ter a maior malha rodoviária do país (25%), a maioria das estradas é de pista simples e a chuva promete ser intensa. Outra característica que compromete a segurança é o excesso de curvas nas rodovias. “É um conjunto de fatores que pesa contra. Enquanto no Natal é comum as pessoas passarem junto à família, na casa de parentes ou na própria residência, no réveillon as festas e viagens para o litoral são mais comuns. Nesta época, a mentalidade do motorista ao volante é outra. São jovens nas estradas e até mesmo aqueles mais experientes passam a abusar”, observa o inspetor da PRF Aristides Júnior.

Ele acrescenta que nos 15 mil quilômetros de rodovia em Minas, a cada 100 quilômetros entre um posto de fiscalização e outro haverá barreiras policiais equipadas com 46 bafômetros. Para intensificar as ações, houve remanejamento de férias e de folgas, inclusive para os policiais da área administrativa. “Observamos que o mais comum são grupos de amigos ou parentes viajando nesta época. Por irresponsabilidade de alguns, famílias inteiras ou parte delas ficam na estrada”, diz o policial.

Desde o início da operação, 36 pessoas perderam a vida nas estradas federais que cortam Minas. “Desse total, 20 acidentes com morte envolveram veículos de outros estados. É importante frisar que Minas é um lugar de transição. Dependendo de onde estão, as pessoas cruzam nossas estradas para chegar a outros estados, como Bahia, Espírito Santo, e ao Distrito Federal. Muitos não estão acostumados a tantas curvas e declives. Abusam da sorte e exageram na imprudência”, salienta o inspetor.

A BR-381, mais conhecida como rodovia da morte no trecho entre BH e João Monlevade, é responsável por 33% dos acidentes ocorridos ao longo do ano. Em seguida, aparece a 040, saída para o Rio de Janeiro; e logo depois a BR-116 (Rio-Bahia). Em quarto lugar, a BR-262, que vai para o Triângulo Mineiro. De 20 de junho a 20 deste mês, a PRF autuou 763 motoristas em Minas por dirigirem embriagado e prendeu 531 por exceder no consumo de bebida alcoólica e dirigir.

“Para reduzir a violência nas estradas, nunca houve tanto reforço da PRF. Escolhemos não separar o Natal do ano-novo justamente para não haver brechas. Além do excesso de bebida alcoólica, vamos ficar de olho nas ultrapassagens. Elas são responsáveis por grande número de acidentes”, avisa Aristides Júnior. Ele também fala de um mau hábito dos brasileiros. “A segurança das crianças é muito importante. Os adultos pensam que o colo é o lugar mais seguro para levar os filhos pequenos. Mas dentro do carro isso é extremamente arriscado. Em uma colisão, as crianças são as primeiras a serem arremessadas e, também, as primeiras a morrer. Usar a cadeira apropriada é fundamental”, reforça o inspetor.

Estaduais

Nas rodovias estaduais, a história não é diferente. Desde o dia 23, início da operação Natal, o sargento Renato Augusto Campos afirma que na Grande BH já houve 53 acidentes, com 33 feridos e duas mortes. “Estamos trabalhando com a carga máxima de nosso efetivo. Temos quatro radares operando a todo vapor, além de 13 bafômetros. É melhor que os motoristas não abusem, pois serão punidos como merecem”, diz o militar. A outra grande preocupação dele é a chuva. “Neblina e pista molhada exigem muita cautela. As pessoas precisam pôr na cabeça que exagerar na velocidade e nas manobras arriscadas só causam acidentes e riscos ao próximo”, afirma Renato Campos.

Penalidades

0,13 miligrama de álcool por litro de ar expelido pelos pulmões: não é caracterizada infração de trânsito

0,14 a 0,33 miligrama: é aplicada multa de R$ 957,70, recolhimento da habilitação e suspensão do direito de dirigir por um ano, 0,34 miligrama em diante: o motorista está sujeito às penalidades acima e o ato é considerado crime de trânsito. O condutor é preso.
Autor: Ingrid Furtado
OBID Fonte: Estado de Minas – MG