Seap oferece tratamento contra o tabagismo para servidores

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), através da Divisão de Saúde, oferece aos servidores um Programa de Tratamento à Doença do Tabagismo. Desenvolvido por meio de palestras informativas e atendimento no combate ao tabagismo, o tratamento tem duração de um ano.

De acordo com o terapeuta especializado no tratamento do tabagismo, Roberto Antunes, responsável pelo Programa, antes de começar o tratamento, é necessário fazer uma avaliação e nela será determinado se o paciente precisará ou não de medicamentos como adesivos, chicletes ou alopáticos que auxiliam no desconforto da síndrome de abstinência. O acompanhamento terapêutico é baseado no tratamento desenvolvido no Instituto Nacional do Câncer (Inca).

No tratamento, a pessoa aprende a lidar com a abstinência e a escapar das armadilhas que o próprio ex-fumante cria para voltar a fumar.

– Por exemplo, muitas pessoas têm o hábito de ir ao banheiro fumando, então, quando param com o cigarro, dizem que não conseguem mais ir ao banheiro. É mentira. É uma desculpa inconsciente para sabotar o tratamento e fumar um cigarro. É tudo uma questão de hábito, as pessoas fumam quando dirigem, quando bebem café, então param com o cigarro e dizem que não conseguem mais fazer tal coisa, só para poder fumar novamente – esclarece Antunes.

A Seap se mostra preocupada com a saúde dos inspetores e funcionários em geral. Tanto que, além do tratamento oferecido, aulas sobre tabagismo já fazem parte da grade curricular do curso de formação dos Inspetores de Segurança e Administração Penitenciária (Isap´s).

– É fundamental que os inspetores tenham um bom preparo físico, porque o cigarro causa mal a saúde como um todo – comentou Roberto Antunes.

Muitas pessoas acreditam que o tabagismo é apenas um vício, mas ele já é reconhecido como uma doença pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Além de câncer de pulmão, causa outras doenças, como impotência, infertilidade feminina, morte de bebê prematuro, problemas cardíacos e de circulação sanguínea em membros inferiores, que podem levar a amputação.

Os servidores ou diretores de unidades prisionais podem se mobilizar e agendar uma palestra nas unidades. Para isso, é preciso entrar em contato pelo telefone (21) 2253-3320. Além disso, Roberto Antunes atende na Escola de Gestão Penitenciária, no Centro do Rio, às terças-feiras das 10h às 16h, ou no ambulatório da Seap, no prédio da Central do Brasil, todas as quintas-feiras, das 9h às 16h.
Autor: Últimas Notícias
OBID Fonte: JB Online