Hepatite é silenciosa e pode evoluir para câncer no fígado

Hepatite é uma inflamação no fígado causada por vários fatores. Em alguns casos, a doença não apresenta sintomas e, por isso, muitas vezes, é diagnosticada tardiamente. O fígado pode inflamar com o uso excessivo de álcool, drogas ou medicamentos, com a contaminação por vírus e pelo contato direto com fezes contaminadas.

A inflamação também pode ser autoimune, ou seja, desencadeada pelo próprio organismo. Ela acontece quando o sistema imunológico do corpo não reconhece seus próprios tecidos e passa a combatê-los como se fossem inimigos.

Há sete tipos de hepatite causada por vírus e eles são denominados por letras (A, B, C, D, E, F e G). Os mais comuns, no entanto, são o A, o B e o C. Os mais graves são o B e o C, e dificilmente eles apresentam sintomas.

As hepatites tipo A e E são transmitidas pela ingestão de água ou alimentos contaminados pelas fezes. “São benignas e não evoluem para quadro grave”, diz Roberto Focaccia, coordenador do grupo de hepatite do Instituto de Infectologia Emílio Ribas (SP).

As hepatites B e C são as mais graves e com maiores chances de evoluírem para cirrose e câncer de fígado, se não tratadas a tempo. “Os casos tipo B e C são os maiores problemas de saúde pública”, afirma. “A tipo C (transmitida pelo sangue contaminado) é sete vezes mais prevalecente que o HIV e mata quatro vezes mais que a Aids. Ela é silenciosa”, diz Focaccia.

Um estudo da Secretaria de Estado de Saúde constatou que uma em cada dez manicures de São Paulo está contaminada pelo vírus das hepatites B ou C.

Tire dúvidas

A hepatite tipo C pode ser transmitida por objetos com sangue contaminados. A hepatite tipo B pode ser transmitida durante as relações sexuais e pelo uso compartilhados de seringas e agulhas. Além disso, a hepatite B também pode ser transmitida da gestante para o filho.

A hepatite é uma doença que não apresenta sintomas em todos os casos. Por isso, quanto mais cedo o paciente for diagnosticado, melhor para tratar a doença.

As hepatites tipo A e tipo E raramente evoluem para um quadro grave. Nesses casos, o próprio organismo consegue se curar com suas defesas.
Autor: Editoria Brasil
OBID Fonte: O Tempo