Presídio vai tratar dependentes químicos

Dentro de três meses, 18 detentos do Presídio Regional de Pelotas (PRP) usuários de drogas terão local específico para tratamento. Um antiga ala deve ser reformulada pelos próprios detentos e será destinada à ressocialização e desintoxicação dos presidiários dependentes químicos. O projeto é único no Rio Grande do Sul e custará cerca de R$ 20 mil.

Segundo a psicóloga e coordenadora do projeto, Maria Helena Oliveira, a ideia surgiu da necessidade de tratar os presos que desejam abandonar a dependência antes de voltarem ao convívio da sociedade. Apesar de os usuários não serem obrigados a frequentar o local, a intenção é que todos que tenham necessidade de tratamento sintam-se motivados a utilizar a clínica, onde permanecerão envolvidos em atividades. O presídio abriga 700 detentos e 80% deles são usuários de drogas.
Autor: Editoria Polícia
OBID Fonte: Correio do Povo