Dependência gera mais afastamentos

Do empresário ao catador de papel, do médico ao agricultor, do estudante ao aposentado, o alcoolismo e a dependência das drogas frequentam a vida dos trabalhadores brasileiros.

Apenas no ano passado, foram 34 mil empregados com carteira assinada que se afastaram do trabalho, por mais de 15 dias, devido a transtornos mentais desencadeados por álcool, cocaína, derivados de ópio, anfetaminas, maconha e outras drogas, de acordo com dados do INSS. O número é 16% superior ao registrado em 2007.

O tipo de ocupação pode agravar a dependência. Do total de benefícios concedidos pelo INSS, 620 casos foram considerados pela Previdência como doenças ocupacionais em 2008, o que é considerado pelos especialistas um número muito abaixo da realidade, por dificuldade de se estabelecer a relação entre o vício e o trabalho.

Segundo Danilo Baltiere, coordenador do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo, o uso dos derivados de ópio na população limita-se a 0,3%, enquanto entre médicos anestesistas pode chegar a 5%.
Autor: Editoria Empregos
OBID Fonte: Zero Hora