Entrevista com Arthur L. Klatsky – Álcool e Mortalidade

1. O que significa dizer que a relação do uso de álcool com a mortalidade geral é representada por uma curva em formato de J ou de U?

O formato da curva faz referência à linha horizontal do gráfico que ilustra a relação entre a taxa de mortalidade geral de acordo com o consumo de álcool. É usual a representação do consumo de álcool no eixo horizontal desse gráfico (eixo das abscissas) com a abstinência posicionada à esquerda e o uso pesado de álcool à direita. Já a mortalidade é representada no eixo vertical (eixo das ordenadas), observando-se o aumento da taxa de mortalidade acima da origem e a redução da taxa de mortalidade abaixo da mesma.

Os abstêmios são a referência na origem (zero), à esquerda. Se para o consumo moderado de álcool a taxa de mortalidade é reduzida e para o uso pesado a taxa de mortalidade é a mesma que a de abstêmios, então teremos o gráfico representado por uma curva em U. Na verdade, a mortalidade geral devido ao uso de álcool é representada por uma curva em formato de J, porque a taxa de mortalidade aumenta com o uso pesado, mas é menor para bebedores leves em comparação com abstêmios.

2. Quais os fatores subjacentes à redução da mortalidade observada entre os bebedores leves/moderados?

O risco diminuído de mortalidade entre os bebedores leves/moderados é devido, principalmente, a uma redução da incidência de doenças coronarianas, o tipo mais comum de doença cardíaca e a causa do infarto agudo do miocárdio, comumente conhecido como “ataque do coração”. Menores contribuições ocorrem também devido a um menor risco da incidência de derrame isquêmico (ocasionado pelo bloqueio de veias sanguíneas), diabetes mellitus e outras condições.

3. Algum fator relacionado ao gênero, à idade ou alguma outra variável de confusão pode interferir nessa curva em J ou U?

O formato da curva é geralmente similar entre homens e mulheres, apesar das mulheres serem mais susceptíveis aos efeitos do álcool (bons e ruins) para níveis menores de consumo. As curvas específicas para idade são bastante diferentes, pois os benefícios do consumo leve não são tão evidentes entre homens com menos de 40 anos e mulheres com menos de 50. Ainda, os jovens estão mais sujeitos ao uso pesado episódico de álcool (padrão binge), que está relacionado ao acontecimento de mortes acidentais, mesmo se a média total de consumo não seja alta. Dessa maneira, a curva da taxa de mortalidade relacionada ao uso de álcool, entre jovens, é linear e não no formato de U ou J.

4. Finalmente, a associação entre o consumo de álcool e a mortalidade geral é influenciada pelo tipo de bebida consumida?

Não há consenso quanto a isso. Alguns dados sugerem que os bebedores de vinho tenham maiores benefícios, mas os estudos são contraditórios. Em minha opinião, o fator mais importante é o álcool etílico e seu padrão de consumo. Pequenas quantidades de álcool ingeridas durante as refeições é o hábito que tem sido apontado como o mais benéfico para a saúde. Este padrão de uso é mais frequentemente encontrado entre os bebedores de vinho que entre os de cerveja ou destilados. Em vários países, os bebedores de vinho também apresentam uma maior probabilidade de, em geral, assumirem hábitos mais saudáveis de vida. Em conclusão, a relação entre a preferência pelo tipo de bebida e a saúde do bebedor é complexa.
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool