Campanha usa a moda como ferramenta para conscientização

Em Maio, o Brasil comemorou o Dia Mundial Sem Tabaco e as mulheres terão uma campanha específica para elas, que passaram a ocupar mais espaço entre as vítimas fatais do câncer de pulmão. “Sem tabaco, 100% fashion” é promovida pelo Centro de Câncer de Brasília e utiliza a moda como veículo para alertar mulheres de todas as idades, em especial, as adolescentes.

A escolha de mulheres jovens como alvo da campanha foi apoiada em dois estudos. O primeiro deles, realizado em dez capitais brasileiras, mostrou que as meninas experimentam o cigarro em maior proporção que os meninos. O outro dado, também preocupante, mostra que entre 1990 e 2002, o câncer de pulmão saltou de quarto para segundo lugar no ranking dos tumores que mais matam pacientes do sexo feminino no Brasil, perdendo apenas para o câncer de mama.

Alexandre Nonito, médico do Centro de Câncer de Brasília, conta que a ideia de utilizar a moda como veículo surgiu da constatação que a propaganda negativa em relação ao cigarro ainda surte pouco efeito entre adolescentes.

“O jovem, por natureza, quer desafiar os limites, confrontar os pais e ainda tem uma sensação de invulnerabilidade. Então, não adianta muito falar que o cigarro dá câncer. Decidimos ir por um outro lado e mostrar o lado positivo de passar longe do cigarro: estar na moda é não fumar, o que deve ser invejado é estar bem”, conta Alexandre Nonito.

“O que vemos hoje é o resultado das estratégias da indústria do tabaco no passado, que seduziu o público feminino com a ideia de que o cigarro era um símbolo de sucesso e emancipação”, afirma oncologista Alexandre Nonito. A publicidade de produtos derivados do tabaco foi proibida no Brasil e a emancipação feminina já é uma realidade. Mas surgiu um outro inimigo feminino, o estresse. “As mulheres modernas estão mais propensas a problemas relacionados ao estresse e à falta de cuidados com a saúde, já que dedicam grande parte do tempo ao trabalho, pouco tempo à prática de exercícios e ainda, muitas vezes, chefiam suas famílias”, diz.

Para o médico, se hoje a propaganda não é mais aliada do tabagismo, um mito segue dificultando a cessação do hábito. “Muitas mulheres acreditam que ao abandonar o vício vão engordar. Em nome do peso, colocam em risco a vida”, critica. A campanha começou em 2003 e conta com apoio de estilistas renomados, como Walter Rodrigues.

Tratamento individual

Anualmente, mais de 1 milhão de novos casos de câncer de pulmão são diagnosticados no mundo. Paralelo a isso, pesquisadores seguem em busca de tratamentos mais eficazes. Entre os avanços na medicina está a introdução de anticorpo monoclonal específico para o câncer de pulmão. Outro aspecto bastante atual é a customização do tratamento: para cada paciente, é preciso uma combinação terapêutica.

Você sabia?

Que o tumor de pulmão já é a segunda causa de morte por câncer entre mulheres?

Que mulheres que fumam e usam anticoncepcional correm até dez vezes mais riscos de infarto?

Que fumar aumenta os riscos de infertilidade, câncer de colo de útero e menopausa precoce?

Que as meninas experimentam cigarro antes que os meninos?
Autor: Andréa Castello Branco
OBID Fonte: O Tempo