Câncer de boca: risco é até 25 vezes maior para os fumantes

Uma advertência dos especialistas que pode ajudar a quem ainda está na dúvida sobre os malefícios do cigarro: quem chega a fumar um maço de cigarros por dia tem entre cinco e nove vezes mais chances de desenvolver câncer de boca do que não-fumantes.

Homens que fumam, bebem e estão acima de 40 anos devem redobrar a atenção, porque esse é o perfil de quem tem mais chances de sofrer da doença.

Em alguns casos, o risco de adoecer com câncer de boca, para os que fumam intensamente há mais de 10 anos pode ser até 25 vezes maior que o risco para os não fumantes.

No Brasil, a expectativa é de que surjam, aproximadamente, 11 mil novos casos desse tipo de câncer por ano. A maior parte deles, relacionado ao tabagismo.

“Os primeiros sintomas visíveis se parecem com problemas simples, e muita gente não dá importância. São pequenas alterações nos lábios, na língua e gengivas. Na maioria dos casos, o diagnóstico não acontece no estágio inicial, e sim num período mais avançado”, explicou a médica oncologista Cíntia Elaine Nascimento Givigi.

Estudos mostram que 90% dos casos de câncer de boca ocorrem nas áreas mais visíveis, como a língua. Os pacientes sentem algumas dores, e pode haver sangramento.

No Espírito Santo, entre os homens, o câncer de boca é o quarto mais comum, perdendo para os de próstata, pulmão e estômago.

“O cigarro está diretamente relacionado aos casos de câncer de boca e de pulmão, entre esses mais comuns. Mas também é importante nos casos de câncer de bexiga, de cavidade oral, esôfago e laringe”, explicou a especialista.

Para a médica, o fundamental para diminuir o risco é parar de fumar e procurar um médico ao menor sinal dos sintomas de que algo está errado.

Deputados vão decidir sobre lei antifumo
A Assembleia Legislativa ainda não apreciou o veto do governador Paulo Hartung ao ao projeto de lei que daria fim aos fumódromos e espaços reservados para fumantes em qualquer ambiente público ou privado. A Procuradoria Geral do Estado (PGE) considerou a proposta inconstitucional. O projeto será avaliado pelos deputados estaduais, que ainda podem aprovar a medida.

Exposição

30% mais risco
Para os fumantes passivos, de ter câncer de pulmão que os que não se expõem

Jovens começam no vício por curiosidade

Universitários brasileiros fumantes ou ex-fumantes admitem que a curiosidade ou influência de amigos foram os pontapés para que começassem a fumar. O percentual que se enquadra nesse perfil chega a 40% dos estudantes ouvidos em uma pesquisa do Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental da Univix (Nepa).

A pesquisa envolveu 1.600 universitários brasileiros de 11 instituições de ensino superior, em cinco estados brasileiros. Do total, 9% assumiram que fumam, 7% já fumaram, e 84% não fumam.

Os resultados apontaram que, entre os que fumam ou já fumaram, 42% entraram no vício entre os 14 e 17 anos. Além da influência dos amigos e da curiosidade, também há os que incluem entre os motivos para terem começado a fumar, o estresse do dia a dia, o término de um namoro, a depressão, e até o fato de achar bonito fumar.

“Chamou a nossa atenção na pesquisa, entre outras questões, o fato de 40% dos fumantes dizerem que já tentaram largar o cigarro, mas não conseguiram. Indicando que a maioria não quer fumar. Cerca de 60% deles disseram ainda ter vontade de parar de fumar”, disse o coordenador do Nepa, professor Roosevelt Fernandes.

A pesquisa também revela que a maioria dos que fumam, 66%, também bebem entre pouco e além da conta.

Saiba mais sobre os malefícios do cigarro

Mortes. Todos os anos 200 mil brasileiros morrem por causa de doenças provocadas pelo cigarro. São 23 pessoas mortas por hora

Vício. Quem fuma mais de 20 cigarros por dia vive, em média, 22 anos a menos

Radioativo. A fumaça do cigarro contém Urânio, Plutônio, Tório, Polônio-210, e mais 60 substâncias radioativas. Fumar um maço de cigarros, diariamente, equivale a fazer uma radiografia por dia

Câncer. Quem fuma de 1 a 9 cigarros por dia tem cinco vezes mais chances de ter câncer que um não fumante. Quem fuma mais de 40 tem uma chance 20 vezes maior

Adultos. Cerca de 30% da população adulta do Brasil fumam

Tempo. Sete a nove segundos é o tempo gasto pela nicotina para chegar ao cérebro do fumante

Preço. O cigarro no Brasil é um dos mais baratos do mundo. A carga tributária do produto é de 58,8% sobre seu preço. Argentina e Uruguai tributam em 67%; Inglaterra, 80%; e França, 81%

Ela se curou, mas o marido não teve a mesma sorte

Depois de fumar por 35 anos até um maço de cigarros por dia, e de perder o marido vítima de um câncer de boca diagnosticado tardiamente, a aposentada Palmira da Costa Fernandes, 70 anos, também enfrentou o mesmo problema que tirou a vida do marido, mas conseguiu se livrar graças ao diagnóstico precoce.

Numa atitude preventiva, Palmira enfrentou fila num mutirão para diagnóstico e foi atendida por um médico oncologista, que observou que havia algo de errado.

“Havia umas bolinhas na língua, mas eu nem desconfiava. O médico José Roberto Podestá viu imediatamente que havia um problema e me pediu para procurá-lo no consultório. Fui, ele completou o diagnóstico e constatou o câncer de boca. Com o tratamento, hoje, oito anos depois, estou curada, e devo muito a esse cuidado, e a tranquilidade que tive durante o tratamento”, disse Palmira.

O marido dela vivia mais no sítio da família, e quando falou sobre o problema na boca, já era tarde. Ele chegou a perder metade da língua antes de morrer.

“Eu parei de fumar dois anos antes de saber que estava com o problema e já havia chegado à conclusão de que cigarro não traz nada de bom. Mas sei que é difícil, mas é necessário parar”, concluiu.

“Meu marido tentou se tratar sozinho. Achou que era algo simples. Quando fomos ver já era tarde”

Câncer de pulmão é o mais comum entre tumores

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de pulmão é o mais comum de todos os tumores malignos, apresentando um aumento de 2% ao ano na sua incidência em todo o mundo. Em 90% dos casos, o consumo de derivados de tabaco está associado ao aparecimento da doença.

Mas não são só os fumantes que estão susceptíveis ao desenvolvimento desse tipo de câncer. Em torno de 20% dos casos aparecem em fumantes passivos – aqueles que não fumam, mas convivem diariamente com quem fuma.

Na fumaça do cigarro há mais de 4 mil substâncias tóxicas. As mais conhecidas são a nicotina, o alcatrão, e o monóxido de carbono. A maioria provoca algum tipo de comprometimento respiratório.

A oncologista do Núcleo Especializado em Oncologia (Neon) Kitia Perciano diz que, praticamente todos os tipos de câncer têm maior incidência entre pessoas relacionadas ao tabagismo. “Mais de 70% dos pacientes com câncer de pulmão são ou foram fumantes. Crianças sofrem bastante com ambientes impregnados pelo cigarro, principalmente os filhos de fumantes, que acabam acometidos por doenças respiratórias”, explica.
Autor: Geraldo Nascimento
OBID Fonte: A Gazeta