Fiscalização será reforçada

Ignorar a proibição de dirigir alcoolizado será mais arriscado de agora em diante. No aniversário de um ano da lei que fixou a tolerância zero à combinação álcool e volante, os órgãos encarregados de garantir o cumprimento da lei anunciam mudanças na fiscalização. Mais fiscais nas ruas, blitzes e campanhas educativas estão entre as estratégias para apertar o cerco ao motorista infrator e reduzir a violência no trânsito do Distrito Federal.

Todo fim de semana, os 2 mil quilômetros de rodovias locais (as DFs) patrulhados pela Companhia de Polícia Rodoviária da Polícia Militar (CPRv) terão o reforço de 150 soldados, além dos 60 do plantão normal. A unidade recebeu oito bafômetros novos, totalizando 18 equipamentos. “Vamos trabalhar para reduzir as mortes nas estradas. Como a velocidade média é maior, a fatalidade dos acidentes também aumenta”, alerta o comandante da CPRv, major Glaumer Araújo.

Moradores de Ceilândia, de Taguatinga e do Plano Piloto também vão perceber o aumento das blitzes do Batalhão de Trânsito da PM (BPTran). Essas cidades são consideradas prioridade no combate aos motoristas bêbados porque concentram a maior parte dos acidentes fatais e das mortes, por serem as mais populosas. Além disso, todos os batalhões — inclusive os que fazem a ronda de moto — estão equipados com bafômetro, 95 no total. “Agora eles não terão que esperar um carro do BPTran ou do Detran para testar e autuar o condutor alcoolizado. A partir de segunda, vamos combater o uso de celular ao volante e a falta do cinto de segurança. Essas infrações potencializam o risco de acidente”, avisa o comandante do BPTran, tenente coronel Ricardo Cintra.

No cumprimento da lei, os agentes de trânsito encontram dificuldades. A maior delas é a agressividade do condutor. “Eles tentam tumultuar de toda maneira a nossa atuação. Se colocam como pessoas de bem e dizem que temos que ir atrás de bandidos que estão soltos por aí. Não se veem como infratores da lei”, comenta o gerente de Fiscalização do Detran, Silvaim Fonseca. “Mas a gente também se depara com a prática de outros crimes, como sequestro relâmpago, veículos furtados, pessoas armadas. E nem sempre nessas operações temos o apoio da PM”, completa Fonseca.

As autoridades locais têm pela frente um outro desafio: padronizar a conduta de todos os órgãos envolvidos na fiscalização e punição aos infratores. Tanto os agentes do Detran quanto os PMs dizem que delegados têm se recusado a registrar o boletim de ocorrência contra o condutor flagrado no teste do bafômetro. “Às vezes, a gente leva para outra delegacia”, diz Fonseca. “Em 90% dos casos, eles registram. Mas quando isso não ocorre, a gente pega a documentação e entrega ao Ministério Público”, informa o coronel Cintra, da PM. Nas duas últimas semanas, a reportagem procurou a Polícia Civil para saber como são os critérios para autuação. Mas não obteve retorno.

Boas e más influências

Até o fim deste mês, duas equipes de atores — um homem vestido de anjo e uma mulher fantasiada de diabinha — percorrem bares da cidade, de quinta a domingo, alertando sobre os riscos do álcool ao volante. Enquanto isso, uma equipe de fiscais faz a blitz em pontos próximos a esses bares. São duas ações ao mesmo tempo: uma educativa e outra repressiva.

Hoje, agentes do Detran, do BPTran e da CPRv se juntam numa blitz educativa no Eixo Monumental, a partir das 10h. Os motoristas vão receber informações sobre o efeitos do álcool no organismo e sobre os riscos de dirigir alcoolizado. Também serão distribuídos 5 mil bafômetros descartáveis doados, ontem, pela Companhia de Bebidas das Américas (Ambev) ao Detran.

O que vem por aí

Confira as medidas preparadas pelos diversos órgãos de fiscalização do trânsito para garantir o cumprimento da lei seca:

Diversos batalhões da PM e policiais militares que fazem a ronda em motos, agora, farão teste do bafômetro. Antes, apenas o Batalhão de Trânsito tinha o equipamento

As blitzes da PM serão mais frequentes em Ceilândia, Taguatinga e no Plano Piloto, cidades com o maior número de mortes (e também as mais populosas)

Haverá mais rigor na cobrança do cinto de segurança e na fiscalização do uso de celular ao volante — aliados à ingestão de álcool, potencializam os acidentes

150 militares a mais da Companhia de Polícia Rodoviária (CPRv/PM) estão sendo convocados para trabalhar todos os fins de semana, totalizando 210 agentes

O Departamento de Trânsito (Detran) intensificará as campanhas educativas, como palestras em escolas e faculdades, além da repressão (blitzes)
Autor: Adriana Bernardes
OBID Fonte: Correio Braziliense