Pesquisa vai mapear uso de drogas

As autoridades goianas responsáveis por desenvolver projetos para prevenção ao uso de drogas terão acesso em breve a um trabalho aprofundado sobre o envolvimento de universitários com substâncias lícitas e ilegais. A convite da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), alunos das Universidades Federal e Católica de Goiás e do Instituto Federal de Educação Tecnológica de Goiás (antigo Cefet), estão participando do 1º Levantamento Nacional sobre o uso de Álcool, Tabaco e outras Drogas entre Universitários.

O trabalho, realizado pela USP em parceria com a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, investigará o tema nas 27 capitais brasileiras. Estarão envolvidos diretamente cerca de 38 mil estudantes de 115 instituições de ensino superior do País.

Nível de dependência

A psicóloga Vera Lúcia Morselli, professora da Universidade Católica de Goiás, informa que os universitários goianos já responderam ao questionário que fundamentará a pesquisa. A coleta de informações foi feita durante uma semana por uma equipe especializada. As questões, conforme a professora, procuraram verificar o nível de dependência dos alunos às drogas, o tempo de uso e os tipos de substâncias mais consumidas, sejam elas ilícitas ou não.

“O consumo indiscriminado de medicamentos é tão nocivo quanto o uso de substâncias ilegais”, pondera a professora. Ela cita como exemplo a dependência de jovens à morfina, remédio controlado, porém comercializado legalmente, indicado por médicos para sanar a dor de pessoas portadoras de doenças graves e usada de forma indevida por dependentes.

O material coletado em Goiás foi enviado para a USP, em São Paulo, para realização da tabulação, mapeamento e análise. Vera Morselli antecipa que o resultado da pesquisa será divulgado no próximo mês de novembro.

Para preservar a identidade das pessoas que contribuíram com o trabalho, as conclusões serão divulgadas de forma global, por regiões do País. Na avaliação de Vera Morselli, as três universidades goianas foram convidadas a participar da pesquisa por desenvolverem projetos que resultam em benefícios à população do Estado.

Cada instituição de ensino superior designou um técnico para coordenar os trabalhos e manter contatos com a USP. A professora Vera Morselli diz que na Universidade Católica foram selecionadas 12 turmas e na Universidade Federal, 10.
Autor: Maria José Silva
OBID Fonte: O Popular