Empresas têm rede de apoio a dependentes

As duas maiores empresas de Caxias do Sul, Randon e Marcopolo, possuem programas internos para tratar a dependência há aproximadamente 10 anos. Na Randon, o Viver de Bem com a Vida é focado na prevenção, mas também dá assistência ao funcionário quando um caso de dependência é constatado.

– Não dá para não admitir que uma empresa com 8 mil funcionários não tenha algum caso. É um reflexo da sociedade – pondera a gerente administrativa do grupo Randon, Maria Tereza Casagrande.

O programa, desenvolvido em parceria entre o Sesi e a União das Nações Unidas (ONU), realiza palestras e campanhas de orientação. Também há um comitê reabilitador. Funcionários com dependência, colegas e gestores que constatam o problema ou até familiares podem buscar ajuda. Além de profissionais que auxiliam no encaminhamento do dependente químico para o tratamento e na preparação para seu retorno, a empresa dá apoio financeiro. Na primeira internação, a Randon cobre 100% das despesas.

– Também se envolve a família. Temos muitos casos positivos, de gente que se recuperou – revela.

A empresa também realizou uma campanha para combate do fumo. Depois de cerca de sete meses de preparação, a Randon se tornará uma empresa livre de fumo até o fim do mês. Durante esse período vários atividades foram realizadas, como palestras e campanhas de prevenção. A companhia também ofereceu atendimento para os funcionários que quisessem deixar o cigarro.

No fim do mês, não será mais permitido fumar nem nos locais reservados para isso, os fumódromos. Nessas áreas, haverá o plantio de flores.

Na Marcopolo desde 1998 há um trabalho com treinamento entre os gestores para identificar sinais da dependência entre a equipe. Quando um caso é constatado e a família ou o próprio trabalhador dependente buscam auxílio, a empresa encaminha o tratamento em uma clínica conveniada. De acordo com o coordenador da área de Saúde, Segurança e Serviço Social da empresa, Paulo Manoel Lobato, também há um grupo de suporte na volta do funcionário, que auxilia na readaptação e na continuidade do tratamento.

A empresa colabora financeiramente em até três internações.

– Sabemos que o índice de recaída é frequente nesses casos – pondera.

Brasil

– Em 2008, foram concedidos em todo país 197.914 auxílios-doença previdenciários

– Desse total, 12.818 foram por transtornos mentais e comportamentais por dependência química Rio Grande do Sul

– Em 2008, foram concedidos no Estado 22.178 auxílios-doença previdenciários

– Do total, 968 foram por transtornos mentais e comportamentais por dependência química

Fonte: Fonte: Ministério da Previdência Social
Autor: Editoria Especial
OBID Fonte: Pioneiro