Fumo mata 23 pessoas por hora no país

O fumo é responsável pela morte de 3 milhões de pessoas por ano, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, 23 pessoas morrem por hora em virtude de doenças ligadas ao fumo. Para vencer essa guerra contra o cigarro, voluntários e funcionários dos hospitais Fêmina, Conceição e Cristo Redentor distribuíram folhetos informativos à população sobre os malefícios à saúde. A atividade ocorreu ontem, antecedendo o Dia Nacional de Combate ao Fumo, hoje.

O voluntário Pedro David Moura da Silva participou da ação no Conceição. “A campanha é muito importante para conscientizar a população. Deviam ocorrer ações desse tipo com mais frequência.” No Conceição, também foi entregue um cartão vermelho (ilustração ao lado) para quem fuma.

A pneumologista Maria Eunice de Oliveira ressaltou a importância da sensibilização e do tratamento oferecido aos pacientes no Conceição. A atividade foi coordenada por integrantes da Comissão de Controle do Tabagismo do Grupo Hospitalar Conceição que, além de entregar os folhetos, procuraram orientar as pessoas sobre a importância de um ambiente livre do fumo, uma vez que a fumaça do cigarro reúne substâncias tóxicas, muitas delas cancerígenas e acabam contaminando pessoas que não fumam, os chamados fumantes passivos, aqueles que respiram a fumaça do cigarro de outras pessoas.

As crianças são as maiores vítimas. Os filhos de mães que fumaram durante a gravidez tendem a nascer com peso e altura inferiores aos de não fumantes. A criança que convive com quem tem o vício está mais sujeita a seguir o hábito e muito cedo.
O fumo é responsável por 90% dos casos de câncer de pulmão, causador de 12 mil mortes por ano no país. No pulmão, além de câncer, o uso do cigarro promove várias outras doenças graves. O enfisema e a bronquite são causados, na grande maioria das vezes, pelo hábito de fumar. Além disso, o cigarro está relacionado ao aparecimento de tumores malignos na boca, na laringe, no pâncreas, nos rins e na bexiga.
Autor: Editoria Geral
OBID Fonte: Correio do Povo