Em Alagoas, drogas são responsáveis pela maior parte das mortes

O mais recente relatório da Secretaria de Defesa Social sobre o número de homicídios em Alagoas mostra que de janeiro a junho último 956 pessoas foram assassinadas em Alagoas. Desse total de mortes, de acordo com os números, 414 ocorreram em Maceió.

Para as autoridades públicas, mais de 90% desses homicídios têm a droga, e mais especificamente o crack, como motivação. Adolescentes e jovens são assassinados diariamente e as informações repassadas à polícia por familiares, vizinhos e outras testemunhas são de que “tinham envolvimento com droga”.

Dados como esse estarão em discussão no 1º Ciclo de Palestras sobre Drogas, promovido pelo Fórum Permanente de Combate às Drogas, entidade de orientação e apoio a dependentes e seus familiares. A programação começa amanhã, 28, às 19 horas, no auditório da Fits, com palestra sobre “Panorama atual da dependência química”, reunindo a psiquiatra Suzana Bernardes e o psicólogo Danilo Della Justina.

Ciclo sobre drogas acontece até 4ª

O 1º Ciclo de Palestra sobre Drogas – onde pessoas interessadas podem buscar mais informações sobre drogas – prossegue na terça-feira, 29, com palestras do psicólogo Lourenço Leirias sobre “Os doze passos do AA nas instituições”, e do promotor de Justiça Flávio Gomes da Costa, sobre “As drogas e a criminalidade”.

O evento termina na quarta-feira, 30, com palestra sobre “As drogas e a família”, proferida pela psicóloga Maria das Graças Calheiros, e sobre o grupo de autoajuda “Amor Exigente”. Para alertar a sociedade alagoana sobre os danos provocados pelas drogas, a psicóloga Noélia Costa, cita, por exemplo, a Merla, uma substãncia mais perigosa que o crack e que já existe em Maceió.
Autor: Bleine Oliveira
OBID Fonte: Gazeta de Alagoas