Droga leva um em cada cinco à morte

Aproximadamente 20% dos dependentes de crack morrem em consequência do uso da droga –a maioria deles em mortes violentas.

A conclusão é de um estudo dos pesquisadores Ronaldo Laranjeira, professor de psiquiatria da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e diretor do Instituto Nacional de Políticas de Álcool e Drogas, e Andréa Costa Dias, do mesmo instituto.

Os pesquisadores analisaram 131 usuários de crack por 12 anos. O estudo mostrou que 60% dos usuários que morreram foram assassinados. “A maioria das mortes aconteceu nos primeiros cinco anos de uso da droga”, disse Laranjeira. As outras duas maiores causas de morte são overdose e Aids.

Ainda segundo o estudo, uma parcela de 10% dos usuários analisados foi presa (principalmente por crimes de roubo e homicídio), 19% continuaram usando o crack e 18% não foram encontrados.

A taxa de recuperação dos dependentes foi de 32%. O índice é considerado bom pelos pesquisadores, porém não ideal. “Não é o índice desejável, mas para o crack é uma porcentagem alta. Essa porcentagem corresponde à de pessoas usuárias de drogas que buscam espontaneamente por tratamento”, disse Andréa.
Autor: Luis Kawaguti
OBID Fonte: Agora São Paulo