Cigarro causa danos à pele de portadores de lúpus

Se todos os fatores conhecidos sobre o quanto é prejudicial fumar não bastarem para persuadi-lo a deixar o vício, os cientistas arrumaram mais um. A afirmação é do site Science Daily, sobre uma pesquisa do Instituto Universitário de Saúde McGill, publicada no Journal of Rheumatology. O estudo, liderado por Christian A Pineau, co-diretor da clínica de lúpus do instituto, afirma que o fumo está relacionado aos danos da pele em pessoas com a doença.

A síndrome do lúpus atinge uma em cada 2 mil pessoas. E 90% delas são mulheres, a maioria jovens. A doença causa inflamações e danos em qualquer órgão do corpo, mas a mais visível é a pele. “Nosso estudo verificou que o risco de danos à pele, como perda permanente de cabelos, é significativamente maior em fumantes”, afirmou o médico. Como não há cura para o problema, os sintomas podem ser tratados com remédios. E até aí o cigarro interfere: o tratamento pode deixar de ser efetivo na cura das doenças de pele.

“Já era importante que os pacientes de lúpus parassem de fumar, mas depois dessa descoberta, torna-se imprescindível convencê-los que, se largarem o cigarro, poderemos oferecer maior controle da doença e melhores resultados”, disse o médico. O estudo diz que até em pessoas saudáveis, fumar pode ter resultados negativos, imediatos ou a longo prazo, nas veias sanguíneas, na pele e folículos dos cabelos.
Fonte UNIAD: Terra.com.br