Insegurança – Comércio de crack e violência deixam moradores do conjunto Marechal Rondon temerosos; comunidade exige policiamento no setor

Muitos moradores e comerciantes do conjunto Marechal Rondon, localizado na zona Norte de Porto Velho, clamam às autoridades policiais, principalmente a Secretaria de Segurança Pública do estado, para que medidas mais rígidas de segurança sejam tomadas dentro do conjunto. Ondas de assaltos em residências, roubo a pessoas, pequenos furtos, tentativas de estupro, tentativas de homicídios e, principalmente, tráfico de drogas – com a venda crescente de crack no setor – vem causando terror para quem ali já reside há muitos anos.

Assalto à luz do dia
De acordo com relatos de uma estudante e também moradora do local, ela, há mais ou menos cinco dias, foi abordada e roubada por um motoqueiro armado de um revolver em pleno dia, por volta das 15h00, que diante de ameaças de morte acabou roubando uma bolsa contendo vários documentos e um aparelho celular. “Nós moradores estamos sendo vítimas do esquecimento,nenhuma viatura policial passa por aqui fazendo ronda,temos um quartel da PM a poucos metros do bairro e uma unidade do Corpo de Bombeiros aqui dentro e estamos passando perigos todos os dias”.
Há cerca de seis meses um morador teve sua casa invadida por bandidos que fortemente armados fizeram sua família refém e roubaram inúmeros objetos.
Uma senhora de 64 anos quase foi roubada também pela parte da manhã e o crime só não se concretizou porque ela conseguiu pedir ajuda a uma moradora que estava lavando a calçada e no mesmo momento estava com os portões da sua casa abertos.

Falta de segurança
Segundo um comerciante, que não quis se identificar para a reportagem com medo de represália, os ricos dentro do bairro são inúmeros, segundo ele houve um crescimento bastante significativo nas proximidades como a construção do shopping center, condomínios residenciais e vários comércios.
“O que estamos precisando com urgência aqui no bairro é de uma guarita policial onde podemos pedir ajuda. Poxa, vivemos cercados de marginais e usuários de entorpecentes, eu mesmo já perdi as contas de quantas vezes fui roubado. Somos vizinhos de um complexo penitenciário e a única via de acesso de presos que fogem e se abrigar aqui nas proximidades.
Autoridades acordem! Moradores do Marechal Rondon precisam de socorro”.

Tráfico de pedra de crack
Um levantamento feito junto a DENARC – Delegacia de Narcótico, Central de Policia e 2° DP, várias ocorrências foram registradas este ano de todos os tipos de delitos. Na semana passada um traficante que abastecia inúmeras bocas de fumo foi tirado de circulação. Depois das 21h00 é possível presenciar inúmeras correrias de viciados comprando e consumindo pedra de crak em diversas ruas do conjunto, alertou um morador indignado.
Na área o consumo de crack tem sido observado com muita apreensão por moradores e comerciantes do conjunto, pois a noite não existe discriminação nenhuma e é possível observar viciados consumindo a droga em plena rua. A falta de ronda policial e segurança têm proporcionado liberdade para o consumo assim como o tráfico.
O crack é a droga mais agressiva das que são vendidas na área, ela é um subproduto da pasta de cocaína, com um alto poder de vício e, consequentemente, é também a mais barata. Segundo apuração, é possível encontrar pedras que custam até R$ 2,50, ou seja, menos que uma cerveja.
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas