Em breve, imagens dissuasivas nos maços de cigarros

Mais explícitas do que as simples mensagens atuais de risco à saúde, fortes imagens dissuasivas aparecerão nos maços de cigarro vendidos na França, uma determinação que deve ser publicada até o fim do ano. O texto definirá quais são as imagens escolhidas, seu tamanho e o local onde devem aparecer no maço, indicava na segunda-feira (21) o ministério da Saúde, enquanto o site do “Figaro” garante que a opção escolhida é a de imagens que ocupam 40% da superfície dos maços. O ministério também deve determinar o prazo para que a medida entre em vigor.
Imagens usadas pelo Ministério da Saúde do Brasil são mostradas na campanha francesa

Inicialmente, pressionada pelas associações anti-tabagismo e pela ministra da Saúde Roselyne Bachelot, a direção geral da Saúde desejava que essas fotos que retratam os perigos do tabaco aparecessem nos dois lados do maço, em tamanho máximo, explica o site.
“Creio que vamos nos decepcionar”, dizia na segunda-feira à Agence France-Presse o presidente da Aliança contra o Tabaco, o pneumólogo Yves Martinet, que fala em “medida menor”. “Se tiver de ser somente de um lado, pedimos que seja do lado que o consumidor vê quando vai comprar um maço de cigarros; mas acho que obteremos o outro lado”, ele disse. “Pedimos que fosse no alto do maço, mas acho que será embaixo. Pedimos por pelo menos 50% da superfície, temo que teremos somente 40%”.

Pedidas há muito tempo pelas associações de luta contra o tabaco, as imagens dissuasivas também são preconizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), para que “os alertas que contêm ilustrações dos prejuízos causados pelo tabaco sejam especialmente eficazes”.
Paciente hospitalizado usando uma máscara de oxigênio, dentes estragados, cigarro mole remetendo à impotência, doentes de câncer de pulmão, pé de um cadáver no necrotério… as opções são muitas. “Temos ali uma ferramenta de prevenção gratuita para o governo, vista 7 mil vezes por ano por um fumante (que consuma 20 cigarros por dia)”, observa Karine Gallopel-Morvan, pesquisadora de marketing social da Universidade de Rennes.
Tradução: Lana Lim
Fonte:Uol Notícias – Le Monde
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas