8,2% dos estudantes de Teresina já usaram drogas

Eles têm entre 13 e 15 anos de idade. Para muitos pais, são vistos ainda como crianças. Mas já têm acesso às tão temidas drogas, como aponta uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense).

A pesquisa foi realizada em 2009 em todas as capitais do Brasil e no Distrito Federal. A conclusão foi que aproximadamente 8,7% dos estudantes de 9º ano do ensino fundamental usaram drogas ilícitas ao menos uma vez na vida. Em Teresina, a porcentagem cai um pouco mais. Dos mais de nove mil estudantes matriculados neste ano, 8,2% já experimentaram drogas. A pesquisa não mostra este detalhe, mas dentre estes há os que não apenas experimentaram, mas são usuários de drogas.

A capital piauiense segue a tendência dos demais estados quanto ao sexo que se mostra mais ousado no uso de drogas – são os meninos. Mais de 10% dos homens já experimentaram substâncias entorpecentes, contra 5,9% de mulheres.

A pesquisa do IBGE mostra ainda que o acesso às drogas é mais facilitado entre os estudantes de escolas públicas (8,8%). Na escola privada, 6,9% dos estudantes de 9º ano do ensino fundamental se enquadram neste perfil.

Se esta informação pode assustar os pais, o acesso dos estudantes a bebidas alcoólicas é mais gritante. Em todo o país, do total de entrevistados, 71,4% haviam experimentado bebida alcoólica pelo menos uma vez. Neste caso, entre as mulheres, o porcentual é mais alto (73,1%) que entre homens (69,5%). Um em cada cinco já se embriagou pelo menos uma vez e 27,3% beberam nos últimos 30 dias.

Não se sabe se falta orientação por parte dos pais, mas outro dado da pesquisa mostra que os estudantes com idade entre 13 e 15 anos não apenas estão consumindo bebidas alcoólicas, como estão dirigindo embriagados. Mais de 18% dos adolescentes ouvidos declararam ter dirigido sob efeitos de álcool nos últimos 30 dias antes da entrevista.

Felizmente, os números de Teresina estão abaixo da média nacional quanto ao acesso ao álcool, mas ainda assim o número supera a metade dos estudantes. Aproximadamente, 65,4% dos adolescentes entrevistados disseram já ter experimentado bebidas alcoólicas. E mais uma vez as mulheres se destacam – 65,8% contra 65% dos homens.

Ao contrário da droga ilícita, o acesso à bebida é mais facilitado entre os estudantes de escola privada (67,6%). Pouco mais de 64% dos adolescentes oriundos de escola pública já bebeu ao menos uma vez na vida.
Fonte: O Dia/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)