Fazenda da Paz será entregue em março

Dentro de um mês, o Piauí contará com uma comunidade terapêutica que dispõe de um projeto arrojado que é recuperar através do tratamento, prevenção, acompanhamento familiar e reinserção social, homens que praticaram pequenos delitos e possuem histórico de uso de drogas ou álcool. O complexo será a primeira unidade piauiense da Fazenda da Paz, uma instituição sem fins lucrativos que atua há 15 anos e já auxiliou cinco mil famílias na luta contra as drogas.

O mentor desse projeto, Célio Barbosa, contou com a ajuda do Governo do Estado para torná-lo real. O complexo, que tem capacidade para atender 160 homens, dispõe de capela, alojamentos, quadra poliesportiva, academia de ginástica, sala de informática, quatro salas de aula, lavanderia e refeitório. A construção do prédio, além da compra de móveis e equipamentos, foi executada pela Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi).

Segundo o diretor de obras da Emgerpi, José Carlos Nogueira, o projeto está com 80% da estrutura concluída e os móveis já foram comprados. Para acertar os detalhes para a inauguração, que deve acontecer em março, o presidente da Emgerpi, Raimundo Trigo, se reuniu com representantes da Fazenda da Paz e dos outros órgãos estaduais que vão atuar no local quando ele estiver funcionando. O encontro ocorreu nessa quarta-feira (3), no canteiro de obras da unidade, que se chamará ‘Luz e Vida’ e fica situada na estrada da Cacimba Velha, Zona Rural de Teresina.

O projeto, que pode ser um dos componentes da Política Nacional para a Recuperação de Drogados, vai funcionar a partir da seleção, pelo poder judiciário, dos homens que farão tratamento no local durante doze meses. Segundo Célio Barbosa, a metodologia utilizada é abrangente e será aplicada de 6 da manhã até às 22 horas, de modo que o local não irá dispor de seguranças internos e quem for embora será considerado um foragido da justiça, não podendo mais voltar para o local, caso seja recapturado.

“Geralmente, quem usa drogas só possui três destinos: a morte, o manicômio ou a cadeia. Com esse projeto, estamos propondo uma quarta opção: A vida”, explica Célio, ao ser questionado sobre os benefícios do projeto. Ele destaca ainda que, além de se livrar do vício, os internos terão a possibilidade de se reinserir na sociedade, através dos cursos técnico-profissionalizantes.

O Governo do Estado vai ajudar a executar a metodologia do projeto, que prevê atividades na área da educação, assistência social e agrícola. Com o objetivo de elevar a escolaridade e fornecer ensino profissionalizante, a Secretaria Estadual da Educação e Cultura (Seduc) manterá profissionais no local. O Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) vai colaborar com as capacitações e projetos agrícolas, enquanto a Secretária da Assistência Social e Cidadania (Sasc) deve atuar no apoio às famílias, que também são alvos do trabalho de reabilitação proposto pelo projeto.

A Fazenda Esperança existe há 15 anos e possui outras duas unidades, que funcionam na cidade de Timom (MA). Com esse novo empreendimento, a instituição vai aumentar sua capacidade de atendimento de 120 para 300 pessoas, sendo que a unidade piauiense será a única a tratar pessoas encaminhadas pelo Poder Judiciário.
Fonte:Em Dia News/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)