Descobrindo a auto-estima

A adolescência é uma fase que compreende as idades entre 12 e 19 anos. As meninas e os meninos iniciam essa etapa especial das descobertas físicas e emocionais sobre si mesmos; adquirem os primeiros entendimentos sobre a formação do mundo social que os cerca e as posições que passam a assumir, mesmo que ainda, sob algum ou total controle dos pais. O universo das novas emoções e sentimentos flue entre eles, impulsionados pelas mudanças comportamentais e hormonais.

O Doutor em Psiquiatria e professor Josué de Castro desvenda o falso e obscuro “paraíso” das drogas, pelo qual várias gerações foram atraídas, perdendo-se alguns, não encontrando o caminho de volta à existência verdadeiramente alegre e feliz.

O alvo é a adolescência

Na adolescência inicia-se à procura do grande segredo da felicidade. No despertar da juventude surgem, naturalmente, os sentimentos curiosidade, contestação, insegurança, afirmação, imitação, masculinidade ou feminilidade entre os adolescentes. O uso dos tóxicos permeia fortemente o mundo moderno, e até mesmo além da agitação das metrópoles, chegando às escolas, operando a destruição de sonhos de vida e desejos de felicidade que ainda não foram plenamente sonhados e vividos. É imprescindível à família amar, orientar e cuidar dos filhos e ao poder público acrescentar firmeza no combate às drogas.

Pais presentes, pais amigos

A grande incidência de pais separados na modernidade trouxe mudanças na vida familiar, refletindo diretamente no comportamento dos filhos. Mesmos separados, pais devem estar presentes, buscando a amizade e o respeito dos seus filhos, preocupando-se e se responsabilizando por inseri-los de forma mais feliz e correta na sociedade.

O convívio familiar com mãe e o pai mesmo em situações distintas contribuem satisfatoriamente para o desenvolvimento do adolescente. A mudança do corpo e a sexualidade são temas principais que necessitam ser esclarecidos primordialmente pelos pais. As meninas e os meninos não compartilham, espontaneamente, as razões das dificuldades na escola ou no relacionamento familiar, cabe aos pais observar as situações de mudança de temperamento do adolescente e procurar aproximar-se com serenidade para melhor compreendê-lo e orientá-lo.

A adolescência termina

Na adolescência, principalmente, ninguém consegue viver sozinho. Os adolescentes andam em grupos. Existem os grupos das meninas, dos meninos e aquele formado por meninas e meninos. É um período especial na vida em que as decisões são tomadas coletivamente em sua maioria, de modo que eles somente se sentem inseridos na sociedade quando agem representando o grupo. A adolescência termina quando surgem os novos sonhos da faculdade, afirmação e aperfeiçoamento profissional e o desejo do casamento.

A psicóloga Dayse Jacó explica que a criança chega à adolescência com dúvidas e inseguranças próprias da idade. No início, meninas e meninos absolvem tranquilamente, as escolhas dos pais. Com a mudança de séries no colégio e a socialização na escola, no prédio ou no bairro, os adolescentes são influenciados pela sociedade moderna através dos desejos coletivos da moda, alimentação e comportamento; por tanto, eles passam a andar em grupos para se auto-afirmarem. Muitas vezes, a crise de individualidade revela-se no ambiente familiar, ao contrário do que acontece na turma de amigos com os quais compartilham os mesmos anseios e onde julgam encontrar ambiente mais livre para interação social.

O conflito com os pais, geralmente, tem início nesse período de maior introspecção do adolescente no ambiente familiar onde a explosão de sentimentos e reações decorrentes da cobrança de atitudes menos individualistas deles pelos pais causa certos incômodos.Dayse acredita que é natural o maior envolvimento dos adolescentes com o grupo de amigos da escola ou da vizinhança em passeios e atividades esportivas, por exemplo. No entanto, é importante os pais participarem de forma orientadora na vida social dos seus filhos, estimulando o desenvolvimento físico e intelectual, conhecendo os pais dos colegas com os quais se relacionam, e principalmente demonstrando atenção e apoio durante todas as descobertas, emocionais, físicas que permeiam essa fase da vida.

Descobrindo a auto-estima

As crianças obesas enfrentam difíceis conflitos na adolescência. Desenvolver a auto-estima é imprescindível para o adolescente ter uma vida física e emocional mais saudável. É necessário que a família desenvolva hábitos alimentares saudáveis desde a infância das crianças, período anterior à descoberta das peculiaridades dos adolescentes por eles próprios. O adolescente descobre a auto-estima ao relacionar-se com o outro, assim surgem às comparações de estilo, comportamento e atitudes entre eles.
Fonte:Jornal O Estado/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)